DIVAGANDO DEVAGAR

 

 

 



DIVAGANDO DEVAGAR
Marcial Salaverry
 
Com vagar,
ponho-me a divagar,
e assim penso devagar...
Algo sobre a vida,
com total sobrevida,
podemos analisar,
chegando à sábia conclusão,
que o real não é invenção,
e que dois lados tem a verdade...
Assim, o seu certo, pode ser inverdade,
porque, em verdade,
transforma-se o certo
num instável incerto,
e isso, decerto,
muda a face da verdade,
dependendo quais os interesses
a serem defendidos, com justiça ou não...
Para falar em justiça,
não se pensa na injustiça,
que um erro justifica...
E justo isso, tira da justiça,
o que justo fica,
mas não justifica...
E já se diz que "Herrar é Umano"...
Geralmente quem erra, é quem se diz humano,
e que na verdade é desumano,
porque não respeita
nem a Deus e nem ao mano...
Nem pensa na humanidade,
vivendo em desumanidade,
não justificando sua humana idade
que vive na Terra...
Terra, pobre Terra,
pelos homens vilipendiada,
maltratada, poluida, incendiada,
bombardeada, avacalhada,
sem que saiba o porque,
pois espaço aqui, para ninguém falta,
mas uma dúvida me assalta,
quando vejo os homens guerreando
por pequenos espaços de terra,
se há tanta terra nesta nossa Terra...
Por que brigar por um pequeno espaço,
se há tanto espaço?
Por que lutar, matar, queimar,
incendiar e bombardear,
se para todos viverem há lugar?
Basta que se queira em paz viver...
Para acabar com todo esse sofrer,
basta um pouco de boa vontade,
para se ter felicidade...
Pobre Terra, que cada vez mais se enterra...
Depois do desabafo, deixo apenas
minha admiração a todo que querem viver sem penas,
curtindo o desejo de viver em paz,
e que abominam tanta violência...
Juntamos nossas vozes num Canto de Paz...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados