CORDEL DA XODADI-ONCOCÊ TÁ ZAMÔDIEU?

 

 
 
CORDEL DA XODADI
ONCOCÊ TÁ ZAMÔ DEU?
Marcial Salaverry

Oi zamô deu, tô troncho de xodadi...
Vancê num podi nem carculá,
a gastura qui dá,
di ficá ansin sem sabê notiça docê...
A genti pensa mir coisa,
imagina coisa e loisa...
Socê tá bem o num tá...
Uma vontadi di ti zoiá...
Zamômeu, vem pra cá ficá mais ieu...
Diz preu, cocê inda num misqueceu...
Num vale dizê qui careci disperá...
Kikiéiçu, tem nada dissu di dápraisperá...
Isperu sem dá mezzzz...
Fazêuque, né? Já cocê ispricô,
qui careci di maiunsdia ficá...
Ieu morro di sodade, maintendu
suas necessidadi, i seus pobrema...
Num poçu visitáocê, prucausadiquê
u Juvenar, meu jegue distimação
ficômancodasperna, quinemquieu,
i num poçu amuntá neli...
andando, nem pensá, dá prainão...
Mas essa tua cumadi Frô, num é frô quisixere...
Carecia diaprontá tudissu, só prucausadique
u boi dela si paxonô pela vaca da tua mãe?
Era sódividi us bezerrinho, aravejasó...
Bem zamô, tôtroncho di deseju prucausadocê...
Noi passeá di maozinhadada...
i adispois dexá as mãozinha fazê trascoisa...
Noi si bejá nu caramanchão du quintar...
adondi tá a painera véia...
Vê si arresorvi us pobrema...
Vem loguinho preu, zamô...
Tô qui num sei oncotô,
nem doncôvim, e nem proncovô...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados