UM SEXO DIFERENTE

 

 


UM SEXO DIFERENTE                
Marcial Salaverry

Não existe nada mais agradável do que falar sobre sexo, pois é algo que sempre dá prazer em todos os sentidos.
Claro está que o prazer maior é praticando, e existem outras maneiras de praticá-lo, fora do método usual, haja visto que os grandes amantes da história nunca se limitaram ao sexo convencional, uma vez que o grande barato do sexo, é chegar-se ao prazer por caminhos alternativos. E quais seriam esses caminhos? Vamos procurar descobri-los.
Um deles, pode ser o sexo, digamos, táctil, feito  em dupla, usando-se principalmente  as mãos. Vamos observar um encontro de dois amantes em busca de um prazer diferente.
Luana e Marcelo encontraram-se por acaso.  Sentiram-se atraídos ao primeiro olhar. Algo como que uma faísca elétrica passou por seus corpos. Logo um desejo quase que anormal os dominou, e não hesitaram na decisão de viver algo inebriante,  e, embora mal se conhecessem, aquela atração entre ambos só poderia ter uma sequencia, e procuraram o hotel mais próximo, onde poderiam dar vazão àquele tesão que os dominava.
Marcelo, amante experiente, quis prolongar ao máximo o prazer de Luana, e começou a despi-la lentamente. A cada peça de roupa tirada, uma carícia feita com suaves toques de seus dedos hábeis.
Assim foi com a blusa, tirou-a, acariciando suavemente os ombros, os braços. Abraçou-a suavemente, e com um ligeiro toque, livrou-a do soutien, e começou por acariciar-lhe os seios com suave pressão de seus dedos.
Olhando-a fixamente, foi baixando as mãos pela cintura, e soltou o fecho da saia, que caiu suavemente no chão. Tomou-a entre os braços, e a colocou deitada na cama.
Depois de prolongada carícia em suas pernas, retirou lentamente a ultima peça que ainda protegia o sexo já orvalhado pelo desejo.
Como que seguindo um ritual já combinado entre ambos, iniciou uma ligeira e suave massagem com a ponta dos dedos em seu clitoris.  Ela, terrivelmente excitada, começou a tocar em seu membro já hirto.
E com esse jogo suave, foram prolongando ao máximo o prazer, sentindo orgasmos múltiplos até chegarem ao gozo total.
Depois exaustos, recomeçaram as carícias, massageando-se mutuamente. Deitados lado a lado, apenas percorriam o corpo com toques suaves, apenas usando a ponta dos dedos, tocando nos pontos mais sensíveis, e foram a pouco e pouco acendendo novamente o desejo.
Aquele sexo praticado apenas com suaves  toques das mãos proporcionou a ambos um prazer tão grande, que logo estavam novamente excitados, recomeçando o jogo amoroso, sempre buscando a satisfação apenas com os toques manuais, dando-se mutuamente um prazer total e completo, sem quaisquer riscos de problemas que se pode ter com o sexo dito convencional.
Amor, desejo, sexo, prazer, a conjunção perfeita dos sentidos...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados