UM ENCONTRO DE AMOR E SEXO

 

 


 

UM ENCONTRO DE AMOR E SEXO
Marcial Salaverry

Um esbarrão na rua foi o suficiente para que Eulália e Giusfredo se sentissem atraidos, pois sempre a paixão é atiçada pela sugestão implicita numa troca de olhares.
E nesse esbarrão casual, olharam-se e a atração foi imediata, eles atiçaram aquela paixão com olhares candentes.
O olhar dele, masculinamente forte, mostrou o desejo do macho insatisfeito, e ela, por seu lado, com uma ligeira piscadela, tímida e provocante, denotou a aceitação do convite implícito, que estava bem explícito.
E assim, convite feito, convite aceito, pois em casos assim, as palavras nem sempre são necessárias, uma vez que os olhares já expressaram tudo.
O desejo já mostrara ser mútuo. Giusfredo apenas disse: "Vamos?". Eulália sequer perguntou onde, pois já entendera que fora convidada para o amor, e simplesmente respondeu: "Sim, vamos..."
Logo dirigiram-se para o motel, e entre beijos e carícias, despiram-se prontos para o amor.
Já sobre o leito, na urgência daquela paixão, e com muito amor, os corpos nus se abraçaram ansiosos, com carícias que são mais e mais ousadas.
As bocas frementes procurando onde beijar, passeavam por todos os cantos, e encontraram lugares inimagináveis, só usados por aqueles amantes completos.
E seguiam as carícias, até que os corpos, por demais enlouquecidos pela paixão ardente, fundem-se, e apenas se escutam os gemidos indicando a intensidade do prazer encontrado.
É o momento mágico do amor, e com movimentos frenéticos, atingiram o auge da paixão.
Depois, exaustos ainda permaneceram abraçados, e os corpos colados, não querendo se separar.
Enfim, após o sexo supostamente satisfeito, as carícias, os beijos, tornaram-se mais tranquilos, e aqueles beijos pareciam dizer: "amei nossos momentos... foi muito bom."
De repente, ao invés de "foi muito bom", disseram: "Está muito bom."
Ele, amante experiente, percebe ainda um resto de fogo no corpo que se lhe oferece. Percebe, gosta e recomeça a brincar de amar.
Com a ponta da língua, principia nova exploração, que quer se completar no sexo.
Mas, as palavras que ela poderia dizer após aquele momento, como "amei...foi muito bom...", de repente denunciaram pelo olhar: "quero mais... isto está muito bom..."
Sentindo reacender toda o calor da paixão, reacende o desejo e devolve as carícias ousadas de seu parceiro.
Ei-los novamente entregues à total busca e encontro do prazer.
Se na primeira chegaram logo ao auge, a segunda, já com a sede abrandada,  é mais lenta, mais dengosa, mais gostosa, mais... muito mais excitante e prazerosa.
Prazer novamente alcançado, desejos completamente satisfeitos, beijam-se com a ternura que restou, e prometem se amar mais vezes...muitas mais...
Vestem-se devagar, como que querendo prolongar as horas que passaram juntos e, no inevitável último beijo, deixam no ar a promessa implícita de novos encontros.
Ainda é muita paixão, é muito tesão, mas saber se Eulália e Giusfredo voltarão a se encontrar, vai depender de acontecer outro "esbarrão casual"...
 
 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados