COMO E PORQUE COMECEI A ESCREVER

 

 


 
 
COMO E PORQUE COMECEI A ESCREVER
Marcial Salaverry
 
A grande verdade, é que sempre fui preguiçoso para escrever, embora tivesse uma certa facilidade para desenvolver minhas idéias.
Lembro-me de que uma vez minha irmã, que era secretária de Monteiro Lobato, levou para ele lesse, um texto que eu havia escrito sobre Entradas e Bandeiras, como trabalho escolar, e o saudoso Mestre elogiou o trabalho e, passando a mão sobre minha cabeça, disse que poderia ser um bom escritor. Não acreditei. Achei apenas ter sido uma gentileza dele para com minha irmã.
Depois disso nem pensei mais em escrever. Desde cedo sempre precisei trabalhar para custear meus estudos. Limitava-me às redações exigidas para trabalhos escolares, onde sempre tirava boas notas, muitas com louvor.
Tudo se complicou mais depois. Casamento. Família. Luta pela vida. África. Só escrevia cartas para a família, até o momento em que comecei a mandar fitas cassete gravadas. Não precisava escrever. Falar era mais fácil.
Em meu trabalho como vendedor, limitava-me aos pedidos e relatórios. E brigava com os chefes, que pediam que colocasse observações nos relatórios. Não gostava de perder tempo escrevendo.
Contudo, apesar de não gostar de escrever, sempre fui um leitor voraz. Sempre gostei muito de ler, e
de me instruir, procurando sempre estar a par de tudo, ler sobre os acontecimentos, revistas, livros o que me caísse nas mãos. Livros de bolso sempre foram meus companheiros inseparáveis de viagem. Devorei a coleção completa dos livros infantis de Monteiro Lobato, sempre meu autor predileto. E até hoje não me conformo por haver perdido em uma mudança, o que era meu tesouro particular, a coleção dos DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES, autografados por Monteiro Lobato, com uma dedicatoria ao "futuro escritor Marcial Armando Salaverry".
Ao aposentar-me, instado por meus filhos e netos, resolvi comprar um computador, para comunicar-me via e-mail com eles. Todos morando longe.
Por influencia de meu filho Alexandre, comecei a escrever textos sobre esportes, tendo criado o site DeTrivela.
Depois, comecei a escrever pequenos textos (que ironicamente eu chamava de "textículos"), dando Bom Dia para alguns amigos e parentes, e o círculo de amigos foi se ampliando, e instado por algumas dessas amizades, comecei a contar em capitulos como tinha sido minha vida na África, e foi assim que a profecia do querido Mestre realmente aconteceu, e ainda sigo escrevendo. Foi assim que tudo aconteceu.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados