FILOSOFANDO SOBRE A VIDA

 

 

FILOSOFANDO SOBRE A VIDA
Marcial Salaverry
Analisando coisas
sobre a situação mundial, e lendo algo sobre o que se apregoa como "Fome Zero", vi passar por meus olhos, um filme tantas vezes visto em diversas partes do mundo, e com certeza um filme muito triste.
Seja no sertão nordestino, seja no interior de Minas, seja nas aldeias e florestas africanas, ou seja nas favelas dos grandes Centros, o terrível o quadro da fome, e que muito nos causa indignição, ainda mais quando paramos um pouco para pensar, e vemos que o que mais gera essa triste situação é a incúria e a desonestidade das classes dirigentes das nações.
Quantas vezes verbas destinadas a aliviar a fome no Nordeste, foram desviadas para os bolsos de políticos inescrupulosos... Quantas vezes, caminhões e mais caminhões com donativos para flagelados de alguma coisa nos mais diversos lugares, tomaram rumo diferente do que aquele ao qual estavam destinados...
É triste chegar-se à conclusão de que certas situações de penúria são mantidas, apenas para que certos dirigentes não percam a força política sobre a região, mantendo o povo sempre no cabresto, e o povo sequer tem forças e tampouco vontade para reagir, sempre se contentando com as migalhas que lhes são oferecidas, com os famigerados "Grupos de Trabalho".
Na África, então, a coisa é pior ainda, pois em muitos países africanos, o que mais provoca a fome endêmica, é a perseguição racial que ocorre entre os grupos étnicos rivais. Grupos esses que foram agrupados em um mesmo país pelos colonizadores, visando apenas jamais permitir que os países africanos obtenham paz interna, ou mesmo um arremedo de união.
Veja-se também o que ocorreu com o racha havido na Iugoslávia e na União Soviética, e a consequente subdivisão dos países que surgiram desse racha.
Explodiram rivalidades que estavam latentes, provocando guerras, guerrilhas, atentados. Claro que isso tudo apenas gerou fome, desemprego, miséria. E incrível progresso para os fabricantes de armas, os principais interessados na manutenção do caos mundial.
É o bicho homem empenhando-se na destruição da raça humana. Contra-senso? Claro que é, mas é o que ocorre. E isso traz para nosso espírito um estranho
e indesejado desânimo, ao constatarmos que essa situação é provocada deliberadamente, e é aceita deliberada e acomodadamente, levando-nos a cada vez mais nos fecharmos dentro de nós mesmos, pois se nada ou quase nada podemos fazer, para que tentar fazer alguma coisa? Se o que tentamos fazer geralmente é mal empregado, vamos apenas esperar para o que acontece... Se, ao reclamarmos, somos criticados, então, para que falar?
Estes poucos Quixotes que se batem contra os moinhos de vento da incompreensão geral, sempre terminam sua obra com a frustração e a perplexidade estampadas na face. Que fazer, Amigão? Se é o homem que quer acabar com o homem?
Já pararam para pensar quantos hospitais poderiam ser feitos em zonas carentes com a verba que o Governo Americano e outros Governos espalhados pelo mundo dispendem com os preparativos de uma possível e indesejada guerra?
Assim caminha a humanidade e, como dizem, não adianta remar contra a maré, mas com certeza é um excelente exercício...
Desisto de tentar entender certos porquês deste mundo, e então, quero ver se escrevo poesias, algo que faz mais bem para a alma, e tira o nó da garganta, provocado pela lembrança de tristes cenas de gente morrendo de fome, provocada pelas guerras, e pela desonetidade de uns poucos que se locupletam em detrimento de milhares...
Enfim, c'est la vie...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados