PRA MODI ASSUNTÁ UM CONVERSÊ DE DOIS NAMORADU

 

 

PRA MODI ASSUNTÁ UM CONVERSÊ DI DOIS NAMORADU
Marcial Salaverry
 
Aravejasó acumaé qui são sascoisa qui contece...
A Maribela tá quereno si casá mais Sinfronio, mai tá cum cadim di medo, sabisi lá do que...
Intonce, caiou da cumade Marieta iscuitá um conversê dus dois, e contô pra nóis,maomeno ansim:
 
Maribela:
Cumpadi, será vredadi que casamento adespois de uns par de ano, fica que nem pobre que quano ganha ovo é por que ta podre?
Órvi dizê que Salustino ponhô arame farpado no mei da cama que é pa móde a cumadi Juréia , a muié dele, dexá ele drumi
assussegado. Dissero pra eu que a póvre passa as noite intera zoiano prele e só isperano o danado alevantá pa i na casinha, pa ela porveitá puxa papo cuele, causo que inté ela triminá de lavá as loça do jantá, o safado do Salustino já ta no sétimo sono.  Eu sei quela inda é paxonada pur ele, por issu quela si infeita tudinha de bobes antes de si deitá.
Ocococê acha quela pudia fazê pa recunquistá o Salustino?
Será qui cando nói si casá cê vai fazê o mermo? Zóia bem, queu num vô guentá o tar do arami farpado...
 
SINFRONIO:
Tadinha da Jureia, ela inda pensá em coisá carqué coisa mais Salustino...
Tadinha dela... Salustino foi no medico pra vê causidique as coisa num funciona, ai o medico disse que foi prucausa dum tar de cigarro, qui ele arranjô umas doença isquisita qui tem uns nomi qui num si alembro agora...Fala prela qui agora si ela quisé tem percurá pru fora, causidique Salustiano ponhô a cerquinha, pra num pasá a vregonha di nun fununciá... Diz prela qui, bão, socê num si zangá, a gente pode consolá a tadinha... Inté quela num tá di sipinchá fora...
Careci di ficá com ciume não... é só pru caridadi...
Cococê mi diz preu?
Mai cum nois careci di tê medo não, causidique ieu nunca pitei, i ansim sem o fumo, ieu prego o fumo prá valê...
Cê pó si assossegá, nunquinha qui vô ponhá o tar do arami... Mai, aravejasó...
 
Bão, agora dispois quias cumadi contaru isso pros otro, o pobri do Salustino si pinchô da ribancera, i agora a tadinha da Jureia tá tão necessitada, mai Maribela num qué acordo.
Bão, vamvê como as coisa fica...
 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados