UM AMOR SEMPRE DEIXA SAUDADE

 

 

No caso de um afastamento daqueles que se amam de verdade,
sempre restará na alma aquela doce saudade...
Uma saudade doida, não uma saudade doída...
Osculos e amplexos,
Marcial
UM AMOR SEMPRE DEIXA SAUDADE
Marcial Salaverry 
 
Um amor bem vivido, em recíproca plenitude, sempre deixa saudade, eis um pensamento que parece ser muito lógico, pois se aqueles que bem se amam, por um motivo qualquer ficarem afastados, forçosamente sentirão saudade em reciprocidade.
Li há algum tempo, um pensamento assinado por “poetas lunáticos”, e aliás, isso não é novidade nenhuma, pois na verdade, qual poeta não é lunático? Mas estes deixaram voar a seguinte jóia literária:
"O amor é a mais doce das quimeras:
faz do passado uma doce saudade,
do presente um sorriso
e do futuro uma bela esperança."
(poetas lunáticos... )
Com plena e total certeza, o amor faz do passado uma doce saudade.  Afinal, quando se ama, vive-se momentos de muita felicidade, e sempre existem passagens que nos trazem recordações indeléveis, algo que fica "imexível" em nossa alma, pois foram momentos de paixão, de amor intenso, em que houve aquela entrega total, foram enfim, instantes de amor que se por uma razão qualquer não puderem ser repetidos, pelo menos foram vividos, foram sentidos.  Sempre serão doces lembranças, que deixaram uma doce saudade.
Foram momentos de muita paz, e o fato de apenas estar lado a lado, curtindo algo muito apreciado por ambos, sempre permanecerá na lembrança.  Seja um por do sol, uma noite de luar, uma forte tempestade, com o ribombar de raios e trovões (ao lado da pessoa amada, é belo de se ver...).  Seja uma gostosa viagem, ou um simples passeio a beira mar, ou mesmo à beira rua.  As mãos dadas, marcando um momento de amor, de carinho, o que sempre deixará uma doce saudade...
Até momentos de brigas, em que houve a posterior reconciliação podem se constituir numa doce lembrança.
Existem diversas razões que podem provocar um afastamento de dois amantes, mas  sempre haverá motivo para aquele momento de saudade.  Porque se não houver nenhum momento para ser lembrado, é porque nunca houve amor.  Estavam juntos porque estavam, mas não se amavam.  O amor pode esfriar, pode diminuir de intensidade. Mas não acaba, sempre deixa uma doce saudade, aquele gostinho de "quero mais", ou então, nunca existiu. O que pode acabar é a paixão, mas o amor não, um amor de verdade sempre deixará algo a ser recordado....
Até mesmo numa separação onde tenha havido muita mágoa, onde o amor pode se transformar em raiva... Mas a raiva atual não conseguirá apagar totalmente os momentos de amor antes vividos, e mesmo que se recuse a admitir, sempre existirá aquela saudade, aquele desejo de tudo voltar, mesmo que não volte.
Vivendo o amor no momento presente, ao lado da pessoa amada, é o eterno sorriso, e nesse ponto, os colegas lunáticos estão cobertos de razão.  Os momentos vividos lado a lado sempre são doces (os diabéticos também podem amar, pois essa doçura é totalmente diet...).
Nesse ponto todos concordam, é bom demais amar...
Amigos lunáticos, o futuro é sempre aquela eterna esperança de estar sempre ao lado da pessoa querida, de conseguir realizar aqueles planos todos que os apaixonados sabem tão bem fazer, enfim, a esperança de ter esperança, que mantém sempre acesa a chama do amor.  E principalmente o que se chama de amor. Que nada mais é senão o prazer insuperável de sentir a presença amada, esteja ela perto ou distante.  Aliás, já disse outro poeta, tão lunático quanto os próprios, que se pode estar juntos ainda que distantes.
E assim, cheio de amor prá dar neste fim de semana, é que desejo UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados