UMA QUESTÃO DE SOLIDARIEDADE

 

 

O espírito de solidariedade ajuda a viver, ao mesmo tempo que nos ajuda a justificar nossa passagem por este mundo.
Osculos e amplexos,
Marcial
AMOR AO PRÓXIMO, UMA QUESTÃO DE SOLIDARIEDADE
Marcial Salaverry

Amar a outrem como a si mesmo. Seria lindo se todos estivessem imbuídos dessa idéia, mas eis algo meio difícil de se encontrar hoje em dia, pois parece que as pessoas estão se esquecendo de que vivemos em uma aldeia global, cada vez mais próximos uns dos outros, e que viver solidariamente é algo muito importante, não somente pelo crescimento populacional que vai eliminando os espaços vazios, como também pela agilização cada vez maior dos meios de comunicação. Há alguns anos atrás, era quase impossível para alguém que morasse, por exemplo, no Congo, falar com sua família no Brasil. Além do altíssimo custo, a demora nas ligações e as deficiências técnicas, inviabilizavam tais comunicações. Hoje, fala-se on line de
e com qualquer parte do mundo.
Houve alguns casos em era preciso um socorro médico, e foi formada uma rede mundial de solidariedade entre os rádio amadores (alguém se lembra deles?) para que tal socorro fosse conseguido. E as pessoas se mexiam em socorro a quem necessitasse, num exemplo de amor ao próximo. Tudo era feito sem qualquer tipo de interesse, que não fosse a solidariedade.
Hoje, contudo, com todas as facilidades de comunicação que existem, com a Internet agilizando as comunicações, parece que a preocupação maior é usar-se este maravilhoso meio, apenas para fazer brincadeiras, espalhar boatos de falsas situações de necessidade. É difícil entender a mentalidade de certas pessoas.
Mas quero falar é sobre o que se deveria e poderia ser feito, e para tanto, socorro-me de uma mensagem que me foi enviada pela amiga L'Inconnue, que achei oportuníssima, pois fala justamente do principal ingrediente do Espírito de Solidariedade, que é a bondade, o espírito de colaboração, o amor ao próximo. E sem isso, nada é possível.
E L'Inconnue cita como salutar exemplo, a ação dos bombeiros, que em quaisquer circunstâncias que sejam chamados, arriscam a própria vida, buscando auxiliar a quem estiver em perigo, não olhando cor, condição social ou identificação.
Simplesmente socorre, mesmo sabendo que na maioria das vezes, sequer um obrigado ouvirá. Mas está lá para isso, e desempenha suas funções da melhor maneira possível.
Não quero dizer que sejamos como eles. É meio difícil encontrar pessoas com tal espírito de abnegação, embora não deixe de ser uma boa idéia, que cada qual tente desenvolver seu lado bombeiro, procurando assim fazer sua parte para que o mundo possa ser um pouco melhor.
Como fazê-lo? É fácil. Não exige sacrifício nenhum. Basta ficar um pouco mais atento para o que se passa em seu redor. Ao ver alguém em dificuldades, mesmo que seja seu inimigo, procure ao menos, saber se pode fazer algo para ajudá-lo. Perca alguns segundos para escutar um amigo que lhe procura para pedir uma orientação, um conselho. Ouça-o e se puder fazer alguma coisa, faça. Se nada puder fazer, ao menos o ouvindo já lhe permitiu um desabafo, e isso por vezes é de grande valia.
Preste atenção àqueles em sua volta, como esposa, filhos, pai, mãe, veja se não estão precisando ao menos de um pouco de atenção...
Enfim, procure se lembrar de que não estamos sozinhos no mundo, e que esta mão que não vemos estender-se para pedir a ajuda, poderá vir a ser aquela que nos socorrerá amanhã, e sem nada pedir em troca.
Apenas quero estender minha mão para um cordial cumprimento, desejando UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados