BIETE DI AMÔ DE GENEBALDO PRA ERMENGARDA

 

 

BIETE DE AMÔ DE GENEBALDO PRA ERMENGARDA
Marcial  Salaverry
 
Ermengarda, meuzamô, careço di falá mais ocê...
Si alembra zamô, cando nois era minino i minina...
Nois ficava zoiando as istrela, só pensando nas belezura,
daquelas historia di istronauta..
Eu ti zoiava cos zoio di ternura,
ocê mi zoiava preu com duçura...
Tempinho bão aqueli qui nói podia ficá juntinhu,
conversano... fazeno us prano pru futuro...
Ma agora, noi tá nessa lonjura,
dá inté uma baita duma gastura...
Tô quereno irmimbora daqui, vortá pru meu sertão,
doni ficô meu coração, garradinho nu seu...
Ma... como mi falaro cocê si casô... Ti prigunto si é vredadi,
o si só mi falaro pra modi mi chatiá...
Temo qui isperá... modi arguma coisa contecê... careço di ganhá mais argum...
Dizpreu socê inda si alembra das noite istrelada...
Dizpreu socê inda misperaieu...
Zamô... zamô... é munta filicidadi prum pobri homi,
goraqui arrecibi tua resposta... 
Casuqui meu coração parô, cando li cocê inda isperaieu...
Foi aqueli desinfiliz do Tonico da Venda que mi falô preu
cocê tinhe si casado, mais Zé dus Anzor...
Agora vô trabaiá feito doido, inté fazê umas tar de oraestra, pra modi
juntá uns caraminguá, pra modi pode vortá...
Negósiguin... Misperaieu maium poquinho...
Jájá tô arribano pruaí...
Indonti, sonhei maisocê... sonhei qui nóis tava
sentado na rerva... zoiando as estrela... mãozinha dada...
Uma deliça di sonho... inté bejo deu...
Filiz...filiz... filiz demai da conta, é u cotô sintino...
Mião di  beijo porcê zamô meu...


Ermengarda, tôjuntano meustrem, i tô chegano...
Vô largá esta tar di cidadi grandi, antis qui arguém
mi mate ieu... Num guento mai essas locura daqui...
Num vejo a hora di arribá nu meu sertão...
Dediá minha viola nas noite de luá, pra modi encantáocê...
Tô chegano, zamô... troncho di sodade...
E doidim prá vivê nossa filicidade...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados