PREOCUPANTES PROBLEMAS EXISTENCIAIS

 


Existiram, existem e sempre existirão
problemas existenciais em nossa existencia...
Apenas temos que aprender a resolve-los...
Osculos e amplexos,
Marcial
PREOCUPANTES PROBLEMAS EXISTENCIAIS
Marcial Salaverry

Com certeza é um assunto a ser abordado com cuidado,  porque sempre será uma questão meio delicada falar-se de problemas existenciais, pois é preciso definir o que possam ser esses tais problemas.  Pode-se concluir que sua origem vem da infância, da maneira com que nossos primeiros passos foram orientados, como nossos pais nos ensinaram o que é a vida, como nossos professores nos orientaram nas primeiras letras, e nossas primeiras amizades, que tipo de amizades foram...
Muitas vezes por falta de orientação adequada, muitas crianças se deixam envolver por conversas melífluas, e cometem grandes erros que irão influenciar de forma negativa seu futuro.
A propósito, meu grande amigo e guru, L'Inconnu, brindou-me com outra de suas citações geniais, vejam se não tenho razão:
"Nossa vida é   delineada na infância. Há que se cuidar dos primeiros passos, para não atrapalhar os últimos."

Essa é a questão. A maneira com que são ensinados os primeiros passos da criança em seu caminhar pela vida.  Desde pequena, ela deve ser orientada no sentido de saber distinguir o bem do mal. Não apenas saber a diferença entre a fada e a bruxa, mas sim do bem e do mal na realidade da vida. Deve estar bem consciente sobre esse aspecto, para poder discernir sobre as diversas propostas que ouvirá no futuro.
Como disse nosso guru com muita propriedade, os primeiros passos devem ser muito bem orientados, para evitar muitos problemas futuros. Deve sempre haver muito diálogo entre pais e filhos, muita troca de idéias, para que os jovens possam entender o porque de certas idéias de seus pais, e para que estes possam acompanhar a evolução do mundo, e do que se passa na cabeça dos jovens, e assim, certamente muitos problemas poderão ser evitados.
Por exemplo, entender sobre o que se passa atualmente na cabeça de muitas pessoas, principalmente das mulheres, nascidas nas décadas 40 e 50.
Antigamente, as mulheres recebiam uma educação rígida, sendo direcionadas unicamente para a "nobre" função de donas de casa. Como única opção de estudo, havia o famoso "Normal", que formava as professoras.  Sexo, nem falar, que dizer praticar. Era pecado.  Elas apenas sabiam que deviam atender às necessidades de seus maridos, visando unicamente a procriação.
Não poderiam nem pensar em sentir prazer com o ato sexual.
Ora, com essa educação bitolada, elas foram apanhadas pelo furacão do finzinho dos anos 60, e começo dos 70, com o movimento hippie, e com a tão decantada e reclamada liberdade sexual, que acabou se transformando em liberalidade sexual, originando uma grande confusão mental nos jovens da época, pois de repente todos os conceitos foram mudados, e o que era mau e pecaminoso, acabou se transformando em algo prazeroso e que deveria ser vivido intensamente, e com quantos parceiros surgissem...
Contudo, muitas meninas da época não aceitaram essa coisa toda, e se mantiveram em suas convicções herdadas da educação recebida, e haja confusão mental, causando inúmeroas problemas existenciais, pois a mídia acenava com sexo à vontade, pelas novelas, filmes e até a propaganda comercial, cada vez mais erótica e sugestiva.
Acenava também com a famosa igualdade de direitos que as mulheres principiavam a exigir. Igualdade de possibilidade de emprego entre outras coisas, e enfim, igualdade de vida, com os mesmo direitos dos homens.
Outro problema enfrentado por nossas heroinas, foi a mentalidade masculina, pois seus maridos não queriam de maneira alguma perder sua condição de donos soberanos dos destinos de suas esposas, e se elas descobrissem como seria boa a vida que lhes era mostrada, a situação se modificaria fatalmente, mas com a evolução dos meios de comunicação, elas começaram a tomar conhecimento de tudo o que se passava no mundo, apesar da oposição dos seus antigos senhores feudais.
Sempre faltando o diálogo conciliador,  que poderia consertar as coisas a tempo, mas o machismo ainda dominante, impedia que os homens "se rebaixassem"  às suas mulheres.
Como resultado,  elas passaram a se rebelar, sentindo grande revolta pela vida que lhes foi negada por tanto tempo. E os homens que não acordaram a tempo para a realidade, acabaram ficando sem as "escravas", e sem saber o que fazer, pois também nunca haviam sido preparados para essa contingência da vida.  Que fazer sozinhos? A mesma dificuldade enfrentada por elas.
Contudo, a mulher tem mais e melhores condições para encarar a solidão, do que o homem, pois de certo modo, ela sempre viveu na solidão acompanhada, enquanto o homem sempre se acostumou a ser servido de bandeja.  E agora, José? Cadê a Maria?
Como vemos, problemas existenciais causados por falhas na educação dos primeiros passos, que agora estão atrapalhando os últimos...
Bem crianças, ainda é tempo para alguma coisa boa. Tentem viver. E para começar, vamos ter UM LINDO DIA.
"Exemplo de pensamento antigo:   Se um homem bate na mesa e grita, está  impondo controle, mas se uma mulher faz o mesmo, está  ficando descontrolada...".

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados