EXISTEM AMORES QUE VENCEM O TEMPO.

 

 
 
 
 
EXISTEM AMORES QUE VENCEM O TEMPO
Marcial Salaverry
 
Existem amores que são atemporais. São almas que se encontram, e que vivem um amor intenso através das mais variadas épocas, e que tem diversos encontros durante suas passagens pelo mundo.
Em seus encontros, nem sempre vivem amores, por vezes são adversários, podem ser parentes, próximos ou distantes, mas sempre estão se esbarrando. Vivem amores interrompidos, e estarão sempre se buscando para o resgate desse amor. Em  alguma passagem vão se encontrar, se identificar e viver o amor.
Giselda conheceu Antenor, e de imediato sentiu uma atração muito forte pelo rapaz. Estava noiva de Gualberto, e eles se amavam e estavam de casamento marcado.
Contudo, a paixão por Antenor falou mais alto, e estava disposta a deixar de seu noivo por causa dele, quase às vésperas do casamento.
Antenor hesitava, pois sentia que isso já havia acontecido antes. Mas como, se haviam se conhecido agora.  Em sua dúvida, consultou-se com um amigo, que lhe sugeriu uma regressão, para conhecer seu passado. E ficou sabendo que em outra época houvera sido abandonado por Giselda, e que este encontro seria como que um resgate, pois por causa daquele rompimento ambos sofreram muito, e este encontro seria para viver o amor que deveria ter sido vivido séculos atrás.
Resolveram que apenas iriam viver juntos, pois assim desejavam suas almas, sentindo não haver necessidade de firmar compromisso. Antes, não fora um papel escrito que os mantivera juntos, e o que os manteria agora, seria apenas o amor de suas almas.
Este foi o "compromisso" proposto e mantido por Gilselda:
"Meu amor, para nós dois o não "escrito" passou a ter um valor maior, pois tudo nos é permitido. Acho que é por isso que não precisaremos de mais nada além do conhecimento do que nossas almas sentem e pressentem."
E Antenor confirmou: "Então confirmo o que te disse à pouco: não existirá um adeus entre nós dois, nunca. Sei do amor que sinto, e te reconheço neste amor. Sei do amor que sente, e sei que me reconhece. Ainda que fique te implorando que o diga, que o repita por muitas vezes, não é por não sabe-lo, mas pelos muitos anos que esperei para ouvir, para te ter novamente.
Não existe a possibilidade de uma despedida com mágoas, pelo tanto que nos amamos.
Nossas almas voltaram a se ligar, e meu coração está livre da mágoa havida quando partistes
 Lembra que te disse ao nos despedirmos : EU TE AMO, e vou te esperar, mas não voltastes. E este amor ressurgiu agora, e temos que vive-lo em plenitude. E temos de faze-lo agora, quando ainda podemos resgatar este amor que permanece latente."
Emocionada, Giselda disse-lhe: "Naquela vez, quis voltar atrás, e dizer que te amava, mas estava por demais envolvida pela ideia daquela aventura que tanto mal me fez. E agora, digo que te amo, pois não sei quando eu não vou poder mais falar ou ouvir, juro que não sei. Portanto digo agora, e imploro que o diga todas as vezes que podemos dizer e ouvir. Não podemos mais calar nosso amor."
E para conciliar de vez a situação, disse-lhe "Quando discutimos, não fico magoada com você. Não cabe mágoa no meu coração quando se trata de você. Fico na hora triste sim. Mas basta um minuto e a tristeza vai embora, pois o amor que sinto é maior do que qualquer outro sentimento."
Com toda a certeza, é muto dificil equacionar um sentimento assim sem o olho no olho, e é justamente por isso que é importante manter diálogos francos assim, para conseguir superar as pedrinhas encontradas pelo caminho.
Eu amo você, esta é a verdade que se deve guardar dentro do coração. Esta é a verdade que deverá ecoar no coração por toda a eternidade.
E assim, esse amor atravessou vidas, para finalmente ser resgatado em sua plenitude.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados