COMO UMA UNIÃO PODERÁ PERDURAR

 


Para que um relacionamento perdure,
é necessário que os parceiros formem uma real parceria...
Osculos e amplexos,
Marcial

 
COMO UMA UNIÃO PODERÁ PERDURAR
Marcial Salaverry
Para que uma união possa perdurar, e ser considerada uma real parceria, será fundamental que haja uma sintonia entre ambos, devendo haver uma afinidade quase total, uma comunhão de idéias e ideais, e assim, isso ocorrendo, existe uma grande possibilidade de tudo dar certo, e essa união durar bastante tempo, ou até eternizar-se, e que seja eterna, enquanto é terna.
Falar-se em afinidade total, certamente será utópico, pois uma comunhão total de pensamentos é algo impossível, eis que são duas pessoas, com maneiras diferentes de ver a vida, tendo seus próprios conceitos por sua vivencia.
Assim, se a afinidade total é algo impossível, certamente devem existir ajustes, para que o entendimento não seja prejudicado.
Quando se fala em ajustes, é necessário que as cessões e prerrogativas sejam mútuas, ambos precisam ceder algo, para que as engrenagens se encaixem bem, pois deve haver reciprocidade, para que se possa encontrar a tão sonhada felicidade.
 Essa expressão “deve haver", encerra uma suposição de algo desejável, mas que ainda é uma mera suposição muito otimista, e assim, as mudanças, mesmo que eventuais, serão desejáveis, ou melhor, serão imprescindíveis, pois se não consegui-las, poderá comprometer uma reciprocidade que esteve intacta por muito tempo.
A propósito, encontrei uma citação de César Romão que fala bem sobre o assunto:
"A felicidade  não é algo que se conquista: é algo que acontece em nossa vida como prêmio pela maneira com que vivemos"
Tudo na vida é passível de mudança. Sempre é possível mudar uma situação, uma atitude. Se realmente desejarmos, poderemos mudar nossa maneira de viver, adaptando-a a uma realidade mais condizente, para preservar o bem viver da parceria.
Não poderemos esquecer que a vida é uma eterna dinâmica, e será justamente nossa intenção de acompanhar essas mudanças, é que poderá determinar o nosso destino.
Se não houver tolerância, ou paciência, não só de um dos lados, mas de ambos, poderemos dar adeus à união.
Deve haver respeito de parte a parte, e é importante que se saiba sentir o amor dentro do peito. É importante que se saiba reconhecer a importância do entendimento para que a união frutifique.
Deve saber buscar harmonia em todos os aspectos. Para que exista a felicidade, é imperioso que a parceria aja dentro de um respeito total e completo, e que haja o real desejo de uma convivencia gostosa.
Algo que muitas vezes impede essa harmonia conjugal, é a necessidade de reafirmação da decantada supremacia masculina, que cada vez mais é desmentida pelos fatos. Nessa teoria distorcida, a mulher deve ser submissa. Algo que jamais poderá haver é esse tipo de relação baseada no binômio supremacia/submissão. Mais cedo ou mais tarde o lado que foi lesado em sua personalidade, rebelar-se-á, com certeza, e as coisas fatalmente irão se complicar.
Há que eventualmente saber perdoar, quando é forte o sentido de amar, mas não se pode fechar os olhos, simplesmente, e a tudo perdoar totalmente, por mais que se diga que o perdão faz bem a quem perdoa, fato que parece inquestionável. Claro que aquele que errou, e se sente perdoado, sentirá uma sensação de alivio indizível, mas precisará revisar seus erros, para evita-los no futuro, deverá modificar certos hábitos para o perdão não seja mais necessário.
Para que haja a reconciliação, o perdão deve ser merecido, e isso claro, vai depender da análise que se faça da extensão do erro cometido. Seu merecimento é algo subjetivo mesmo, varia de pessoa para pessoa, dependendo do discernimento da alma, e será esta justamente a chance para se reestruturar uma relação que chegou a parecer condenada.
O amor que os uniu, e os mantém unidos apesar dos contratempos, está claro que sempre existiu no coração, e o grande segredo será saber fazer com ele, uma eterna renovação.
É importante caminhar sempre lado a lado, sempre como um par de namorados.
É importante o equilíbrio, sem ninguém mandar, nem obedecer, para que se possa merecer o carinho e o respeito, imprescindíveis para o bom andamento da relação.
Ninguém manda, mas ambos procuram satisfazer os desejos da parceria, obedecendo ao bom senso, sem que haja comando, naquela busca de adivinhar sonhos e desejos para os satisfazer.
Esse, sem duvida, será o alicerce para uma boa união.
E outro fator importante, será viver a cada dia, UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados