ASSIM SÃO AS PAIXÕES ADOLESCENTES

 


Para entender os adolescentes, é preciso basicamente
não esquecer que já o fomos um dia, e como era nossa cabeça...
Assim poderemos entende-los e ajudá-los...
Com muito diálogo, claro
Osculos e amplexos,Marcial

ASSIM SÃO AS PAIXÕES ADOLESCENTES
Marcial Salaverry
Efetivamente, a adolescencia é um complicado intervalo entre infancia e maturidade, e é preciso saber como lidar com ela, pois nessa fase da vida, o cérebro muitas vezes se recusa a admitir que não se é mais criança, e que é preciso mudar o pensar, é chegada a hora de decisões que poderão determinar o futuro, é chegada a hora em que as primeiras responsabilidades começam a pesar em seus ombros.
E é justamente nesse momento que o espirito decide se rebelar contra tudo que lhe é imposto. Tudo o que até então era lei, passa ser ilegal, ou não presta. A experiência dos mais velhos não lhes serve, mas eles não tem nenhuma experiência em que se apoiar para tomar suas decisões. Então, como ficamos? O que fazer?
Essa fase da vida é extremamente perigosa. É preciso muita compreensão dos adultos, para saber pelo menos orientar, ou tentar faze-lo. O diálogo franco, honesto e aberto é necessário. Nada lhes deve ser imposto, mas sim sugerido, mostrado. É mais fácil obter-se as coisas com jeito, do que à força. Eles não aceitam as verdades absolutas. Preferem aprender por conta própria. É a velha questão da auto afirmação. Os adultos de hoje não podem se esquecer que foram os adolescentes de ontem, vivendo essas mesmas crises existenciais.
Quando entra em foco a parte sentimental, a coisa fica mais séria ainda. Os hormonios estão fervilhando, os corpos clamam por conhecimentos íntimos. Mais do que nunca é preciso manter o equilibrio para saber mostrar os limites que devem ser observados de parte a parte. Seja nas intimidades, seja o que deve ou não ser feito (nada de impor limites, deve-se mostrá-los). Os primeiros amores sempre são muito intensos. Despertam os sentidos, e a vontade do conhecer intimamente o amor. Nessa hora, se não houver uma orientação e que pelo menos saibam fazer as coisas, as consequencias poderão ser fatais. Como uma gravidez fora de hora por exemplo. São coisas da vida, mas que um bom dialogo e palavras certas podem evitar, e seus efeitos minimizar.
Outro ponto nevrálgico é o telefone, e agora também a internet. São horas de conversa. Muitas vezes os namorados acabam de se deixar, e sentem necessidade de telefonar. E haja paciência. E haja contas telefonicas a pagar. E haja broncas e castigos e proibições.
E esse é o ponto crítico. Jamais haverá um acordo nesse sentido. Nada pode controlar a "necessidade" dessas conversas intermináveis. Muitas vezes por nada terem a conversar, ficam apenas escutando a respiração um do outro, ou então alguma música. Aliás, diga-se de passagem, como sempre foi...Quem não esqueceu que já foi adolescente, sabe do que estou falando. Muda-se a época, mudam-se os meios de comunicação, mudam-se conceitos e preconceitos, mas o "espírito rebelde sem causa" dos adolescentes permanece imutável.
Certamente, quem já foi adolescente e não perdeu a memória, se lembra... Sempre se pode tentar um diálogo para pelo menos mostrar os limites. Afinal sempre é melhor controlar um pouco os impulsos, do que acabar irritando os pais que poderão cortar a conta telefonica por causa do exagero das conversas. Ambos os lados tem que saber conversar e acertar-se. Bom senso, gente.
Algo que se pode recomendar aos adolescentes, também aos pre adolescentes, e mais ainda aos post adolescentes e envelhescentes... Vamos ponderar e pensar em conjunto. Sempre um mau acordo é melhor do que uma boa briga...
E pra começar numa boa, que tal ter UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados