POR QUE MAGOAR ALGUÉM?

 


POR QUE MAGOAR ALGUÉM?
Marcial Salaverry
Algo que precisamos saber evitar, é quando por alguma atitude nossa, ainda que sem o desejar, poderemos magoar alguém, pois nunca é bom ferir suscetibilidades alheias, por vezes causando uma dor muito funda.                                                                   
Por vezes é melhor um silêncio do que uma agressão. Salvo se formos agredidos, pois nesse caso, será algo feito em defesa própria.                                                    
Muitas vezes, ao nos sentirmos contrariados em alguma coisa, explodimos, por vezes agredindo mesmo que verbalmente pessoas que só queriam nos ajudar, mas que não soubemos entender. E assim, apenas por não termos parado para pensar, sem entendermos que  é preciso sempre medir bem as palavras, para não dizer nada que provoque mágoa profunda, e que não possa ser consertado com um pedido de desculpas, o que pode revelar nosso arrependimento pelo ato cometido, mas não apaga o que foi feito.
Pode-se comparar com a famosa historinha do professor que mandou o aluno amassar uma folha de papel, dessamassando-a depois. A folha de papel fica desamassada, inteira, mas ficam as marcas do amassamento cometido.                        
As desculpas foram aceitas, mas ficaram as marcas da atitude impensada. Assim, deveremos ser mais compreensivos, mais  pacientes, ao  sentir aquela vontade de estourar, lembrando-nos da história do papel amassado, e medir melhor as palavras. Pensar duas ou mais vezes antes de explodir. É interessante dar uma oportunidade para mudar nosso pensamento, pois a impressão que deixamos nas pessoas é impossível de apagar.
Meu amigo L’Inconnu passou-me um pensamento muito interessante sobre o assunto. Vejam se não tenho razão:
"Fale quando tuas palavras sejam tão suaves como o silêncio".
Deixando passar a hora da raiva, podemos dizer as mesmas coisas que queríamos, porém de uma maneira diferente, não tão ofensivamente, e assim, não magoaremos ninguém desnecessariamente.        
Se tivermos sido ofendidos ou magoados, poderemos mostrar claramente o que pensamos, dando oportunidade para  que a outra pessoa possa ver que errou. Não podemos esquecer que um erro nunca justifica outro. Assim, se nos sentirmos magoados, não teremos o direito de magoar, mas sim de querer uma reparação. Nesse caso, o papel amassado mudará de mãos.   
Tal pensamento pode se aplicar também nas questões amorosas. Muitas vezes julgamos estar sendo vítima de alguma traição, e logo vamos agredindo, muitas vezes sem sequer querer ouvir explicações, que poderão justificar certas atitudes aparentemente dúbias.                   
Sempre é recomendável parar para pensar, meditar, e principalmente respirar fundo, antes de explodir o que eventualmente estamos sentindo. Ouvir primeiro. Mas ouvir na posição confortável de quem está merecendo explicações. Depois, analisando, pesando os prós e os contras, estaremos em condições de relevar ou não. Sempre o papel amassado em outras mãos. E, convenhamos, sempre é melhor desculpar do que ser desculpado. Todavia, se a coisa já tiver degringolado e já soltamos nossas cobras, a melhor atitude, sem dúvida, será engoli-las de volta. Claro, se chegarmos a conclusão de que estamos errados e fomos precipitados. É melhor um papel amassado do que um papel rasgado. Um pedido de desculpas evita traumas maiores.
Bem... espero não ter magoado ninguém... E como e-mail não fica amassado, desejo a todos UM LINDO DIA.

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados