FALANDO SOBRE AMORES E CONQUISTAS

 


Amor... quem não quer? Como fazer para conseguir?
Sempre será preciso usar bom senso e discernimento,
para não se machucar...
Osculos e amplexos,
Marcial

FALANDO SOBRE AMORES...e conquistas
Marcial Salaverry

Por vezes certos acontecimentos, certas pauladas que se leva da vida, podem deixar alguém com medo de amar, e nesse sentido, uma pessoa muito amiga escreveu-me dizendo estar com medo de amar, por temer se machucar. Claro, dizem que "gato escaldado tem medo de água fria", e alguém que não se deu bem no campo amoroso, vai relutar muito antes de se envolver novamente.
Por se tratar de um assunto muito delicado e que envolve muitas coisas, fui buscar orientação em fontes seguras.
Creio ter encontrado um ponto de partida numa mensagem do Dalai Lama, que sabiamente diz:
"Lembre-se de que grandes amores e grandes conquistas envolvem riscos."
Bem, é claro que para se encontrar o amor, não basta ir ao supermercado pegar na gôndola, passar no caixa e pronto, levar para o casa o desejado amor. Seria teoricamente uma beleza se assim fosse, mas o mundo não teria graça, pois o interessante é justamente essa perspectiva do imponderável. É aquela dúvida sobre se dará ou não certo o romance ainda incipiente. Haverá ou não perspectivas de futuro.
Claro que existem riscos, pois o amor não é um sentimento unilateral. Para ser bom, tem que haver reciprocidade, caso contrário alguém vai sofrer. E nem sempre acontece o amor ser compartilhado.   Nem sempre amamos quem nos ama, ou somos amados por quem amamos.
São essas incertezas que dão o toque de emoção nessa história de conquistas amorosas. E, a bem de verdade, o amor não é algo a ser conquistado, pois ele surge em nosso interior, ele brota de nossa alma, portanto, não conquistamos o amor de quem amamos, podemos vivenciá-lo, em havendo reciprocidade.
O bom da história, é quando o amor é simultâneo. Ambos sentem a mesma emoção, e mesmo sentimento, e preferencialmente, ao mesmo tempo.
Por que amamos? Pela própria necessidade que qualquer ser vivo tem. Que é compartilhar a vida com outra pessoa. A solidão, na maioria das vezes, dizem que é má conselheira, faz as pessoas se amargurarem. Sempre é mais difícil viver na solidão. Daí a procura pelo amor. Daí querermos amar alguém, mas deveremos encontrar a reciprocidade, e ter cuidado nessa busca, usando bom senso, para não escolher uma pessoa errada, que não queira, ou não possa retribuir nosso amor.
Todavia, como saber a quem amar? Para que esse sentimento possa nos trazer a felicidade, é preciso que encontremos na parceria uma certa cumplicidade, tem que haver um entendimento, uma série de afinidades, o que contraria a idéia que nos é passada por romances, filmes, novelas, segundo a qual temos que nos apaixonar perdidamente para sermos felizes.
De verdade, não é por aí, pois a paixão é uma atração física e se desgasta com a convivência, enquanto que o amor verdadeiro se solidifica quanto mais passa o tempo, já que os anos vividos juntos nesse amor tranquilo mostram que os parceiros tem tudo a ver. Ou não.
Talvez não seja esse o amor que muitas pessoas idealizam. Querem viver grandes emoções. E é aí que mora o perigo, pois muitas vezes, por causa de uma atração física muito forte, as pessoas se entregam totalmente, "entram de cabeça" nesse romance. Só que para um dos dois lados a atração passa mais depressa, e é onde alguém "se machuca", e acaba sofrendo.
Antes de se entregar totalmente a um amor assim, temos sempre que estudar um pouco a personalidade da outra pessoa. Se a convivência poderá ser boa, se existe alguma afinidade entre ambos. Sempre é perigoso deixar a paixão correr livre antes de se ter certeza de que a relação poderá mesmo dar certo.
Quanto a viver uma paixão, isso é ótimo, desde que se mantenha os pés no chão, entendendo que isso pode não passar de uma aventura fugaz, o que sempre é bom, para quebrar a monotonia da vida.
Bem crianças, espero que todos tenham juízo, e assim, tenham UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados