ENTENDENDO O LIVRE ARBÍTRIO

 

Nem sempre o uso do livre arbítrio é bem entendido,
pois muitos julgam ter o direito de fazer o que melhor lhe
aprouver, ainda que em prejuizo de outrem...
Vamos procurar entender qual pode ser o bom uso dessa
prerrogativa nossa...
Ósculos e amplexos,
Marcial

ENTENDENDO O LIVRE ARBÍTRIO
Marcial Salaverry

Devido alguns fatos que aconteceram com amigos nossos, pediram explicações sobre certos fatos que regem nossos destinos, como por exemplo o que poderia levar alguém a tirar sua própria vida, complementando com uma pergunta muito subjetiva: O que estamos fazendo aqui?
Realmente, considerando que estão sempre fazendo pesquisas e experiências, buscando descobrir medicamentos que nos dêem melhores condições de vida, bem como vão se descobrindo tratamentos e tipos de alimentação que vão aumentando a longevidade de nossa existência, fica difícil de explicar como alguém bruscamente põe fim à sua vida.
Para tentar explicar, vou entrar em um terreno meio perigoso, porque subjetivo, visto envolver a parte espiritual de cada um. A espiritualidade é algo que está dentro de cada um de nós. Cada qual decide como seguir o caminho de sua passagem por aqui.
Nosso destino que dizem estar traçado, só tem um princípio e um fim. O meio do caminho sempre vai depender de nosso livre arbítrio, sobre a maneira de o conduzir. Como compreender isso, se é algo que está dentro de cada qual. É totalmente empírico tentar explicar os porquês de certas atitudes, se é uma coisa que estava no interior dessa pessoa. 
Por que me apaixonei por ela?  Por que ela não gostou de mim? Como explicar isso?  São atitudes. Algo que vem do interior das pessoas... Devemos aceitá-las ou não, é nosso livre arbítrio. Explicá-las, contudo, é impossível.  Não se explicam sentimentos.  Seja o gostar de uma pessoa, seja o gostar da vida, seja escolher qual a religião, enfim, tudo o que depender de uma escolha pessoal, está vinculado ao livre arbítrio.
Explicar a presença de Deus... Como? Se Ele é intangível... À luz da ciência, Ele não existe.  À luz da ciência, nós também não existimos, visto que a ciência não explica o aparecimento do primeiro ser vivo. Nós somos meros produtos de reprodução... Sim, de acordo. Mas, e o primeiro, veio de onde? A velha história do ovo e da galinha... Quem explica?  E vai por aí afora.  As plantas resultam de sementes plantadas pelo homem, certo, mas as sementes, vieram de onde? As primeiras sementes, que deram origem às primeiras plantas, vieram de onde? Ainda não encontrei nenhuma explicação científica para tanto...
Explicar isso, é o mesmo que tentar explicar o que nós fazemos por aqui.  Algo como tentar explicar a quadratura do círculo... Assim, a  explicação que melhor aceito, é a de que estamos cumprindo uma missão  nesta nossa passagem.  Qual missão?  Aquela que decidirmos por nosso livre arbítrio.  Você,  poeta, escreve poesias por sua opção.  Elas são lindas por seu talento.  Então você soube descobrir uma de suas vocações, que é escrever poesias e encantar quem as lê, ou não... Quem lê pode gostar ou não, segundo seu livre arbítrio, seu gosto pessoal...Quem gosta, aplaude, e quem não gosta, vaia...
Bem queridas crianças, não sei se ordenei direito as idéias, mas fiz como sempre faço quando escrevo... Começo a batucar, e deixo que meus sentimentos direcionem as palavras. Mas o que eu queria lhes dizer foi isso mesmo.  É extremamente desgastante tentar encontrar certas explicações implausíveis à luz da ciência, que tudo explica (ou quase).  O mais correto é aceitá-las (ou não), e continuar vivendo, fazendo a nossa parte, preferencialmente procurando uma maneira de ajudar quem quiser ser ajudado, e não desejando e nem fazendo mal a ninguém, seja lá quem for.  Assim agindo, certamente nos sentiremos melhor.
Depois de ter levado na adolescencia uma vida meio marginal, decidi por meu livre arbítrio mudar de vida, e me senti bem melhor em meu interior. A minha escolha foi excelente para minha alma...  No livre arbítrio está a explicação porque pessoas fumam, bebem, se drogam, roubam, matam, ou apenas procuram fazer o bem. Adquirir ou não certos vícios independe de pressões alheias. É coisa do interior de cada um. É  coisa do livre arbítrio ter uma vida saudável ou não...
Desistir ou não da vida, também.  É decisão própria.  Existem pessoas que lutam desesperadamente para viver, e existem pessoas que simplesmente desistem da vida, e até terminam com ela por vontade própria.  Explicá-las? É inútil, pois foi uma decisão interior.  Não acredito que alguém tire a própria vida por pressões externas, por pior que sejam suas condições de vida.  O que pode levá-la a isso, é uma decisão interior, e que deve ser respeitada.
Bem, por meu livre arbítrio, gostaria que todos dirigíssemos um pensamento de consolo para quem não sabe viver em paz consigo mesmo, e a todos, sem exceção, desejo UM LINDO DIA, esperando ser essa a escolha que fizerem, pois um LINDO DIA, sempre merece ser bem vivido e aproveitado, pelo menos é assim que penso...

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados