É PRECISO TENTAR RESSUSCITAR O AMOR

 

Se perceber que o amor está morrendo, sempre vale a pena
tentar ressuscitá-lo com uma boa respiração boca a boca...
Ósculos e amplexos,
Marcial

É PRECISO TENTAR RESSUSCITAR O AMOR
Marcial Salaverry
É preciso jamais esquecer de que o amor é algo tão importante em nossa vida, que não podemos deixá-lo fenecer, e assim, quando por certas contingências da vida ele parece estar desaparecendo, e é preciso saber entender que a vida sempre nos reserva surpresas, algumas podem ser desagradáveis, outras toleráveis, assim como certas surpresas existem que nos provocam sempre uma enorme sensação de prazer. Por exemplo, quando encontramos algo que julgávamos perdido, e que de repente, não mais que de repente, surge à nossa frente, forte, vivo, e percebemos que estava apenas adormecido, mas em estado latente. E ei-lo que ressurge, e vibrante, ressuscita. Acredite que é muito gratificante quando isso ocorre, principalmente sendo com o amor...
Tais surpresas agradáveis por vezes chegam a ser um teste para o coração, que nem sempre consegue suportar essa carga de emoção.
Com certeza, o relacionamento entre duas pessoas é algo muito interessante, principalmente quando se prolonga por muito tempo, pois em seu início, acontecem aquelas  juras de amor eterno, sempre muito ternas, cheias de carinho, beijos apaixonados. É amor forte, quente, vibrante, que não gosta de separações mesmo eventuais, e quando acontecem, as eventuais ausências são sentidas.
No dia a dia, durante o trabalho, o único desejo é voltar logo para casa, para os braços carinhosos que sabemos estar esperando, sequiosos pelo contato tão desejado. E as noites são apaixonadas e apaixonantes, noites repletas de amor e carinho, mas na continuidade, devido a eterna luta pela sobrevivência, esse calor amoroso vai sofrendo um natural e contínuo arrefecimento. Surgem os filhos, aumentando ainda mais a distância daquelas noites apaixonadas e apaixonantes, trocadas por noites de fraldas molhadas e filhos berrantes. Quantas vezes um quente momento de amor é interrompido pelo choro das crianças. Quantas vezes vem aquela vontade de estar a quilômetros de distância daquele choro insistente e exigente...
Nesse ponto, algumas uniões que não eram suficientemente sólidas, se esboroam. O amor entre ambos não foi suficiente para superar as fraldas molhadas.
Sobrevivendo aos primeiros sinais de mau tempo, a vida acaba se tornando uma rotina cada vez mais sentida. Cada vez mais o amor é posto à prova. Os afastamentos por vezes se tornam inevitavelmente longos, com as férias escolares por exemplo, e é quando muitas uniões se desfazem, pois tentações podem surgir no caminho, e nem sempre se sabe resistir a elas, e acontecem as infidelidades, algo que pode acontecer de ambos os lados...
Mais tarde, com os filhos já crescidos, quando teoricamente a vida poderia começar a ser bem aproveitada, percebe-se que o amor forte e vibrante, acabou se transformando numa rotineira e por vezes enfadonha troca de carinhos geralmente apressada. Outras "obrigações" surgiram nesse meio tempo, de lado a lado. Sejam profissionais, sejam pessoais. Mais uma vez o amor é posto à prova. E nem sempre passa. É o momento em que precisa haver muito diálogo entre os parceiros. Quando a parceria e a cumplicidade antigas precisam ser readquiridas.
Nem sempre isso acontece, pois por vezes ambos encontraram diferentes interesses, e o afastamento começa a ser mais sentido. Embora inconscientemente, o amor está começando a mais dura e definitiva prova, e é nesse momento, que o diálogo se torna necessário e vital, para evitar que um dos lados comece a se interessar por outra pessoa, e muitas vezes, por julgar que o amor não mais existe. E então, insatisfeito com a rotina entediante em que sua vida se transformou, procura novas emoções.
Se encontra um outro alguém, muitas vezes deseja refazer sua vida ao lado desse alguém. Faz novos planos. Deseja mudar tudo. Mas no fundo, seu coração reluta em deixar o ninho.
A outra ponta do fio também vinha sentindo que o liame estava se desmanchando. Não sabia como reagir ante o inusitado da situação. Sente-se perdida. Começa a sentir que está perdendo o amor de toda uma vida. A sua. Vê passar todo o filme de uma vida, e sente que deixou a rotina acabar com tudo. Vê que nos últimos tempos, por achar que tudo continuaria do mesmo jeito até o fim, não dava a devida atenção à vida íntima.
Então, naquele que poderia ser o último encontro, chega ao paroxismo do amor recolhido, declarando-se ao parceiro que pensa estar perdendo.
Acontece que o amor que estava latente, é recíproco, e nessa hora da verdade, explode com toda a força e o vigor dos primeiros tempos, numa sensacional redescoberta do amor que se julgava morto e enterrado. Contudo, qual fênix rediviva, ressurge das cinzas mais forte do que antes.
Sempre se deve dar uma oportunidade ao amor, e assim, nada deve ser terminado, antes da última prova. E esta deve ser concludente. A redescoberta do amor precisa ser tentada antes de se cortar definitivamente os liames. E nada melhor para ressuscitar o amor, do que uma bem feita respiração boca a boca.
Principalmente quando se está no outono da vida, esse amor redescoberto vem com força e calor totais, mostrando que o amor e o desejo que estavam adormecidos estão vivos e mais fortes do que nunca. E essa redescoberta, com certeza, é gratificante e gostosa demais.
E nessa certeza, desejo que todos tenham UM LINDO DIA, sempre dando uma chance para o amor.
"O amor redescoberto,
reaviva o coração...
É o amor gostoso... certo...
Marcial Salaverry"

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados