FALANDO SOBRE PRECONCEITOS

 

 
FALANDO SOBRE PRECONCEITOS
Marcial Salaverry
 
 
Falando em preconceitos, existe um tipo de preconceito que é o mais triste de todos. É aquele praticado contra pessoas portadoras de alguma deficiência, seja de nascença, seja provocada por acidente. Pode-se até considerar que não lhes seja dado um tratamento diferenciado, mas pelo menos devem ter as mesmas oportunidades de sobrevivência que todo e qualquer ser humano merece.
Não podemos conceber que, apenas por não dispor das mesmas condições, sejam rejeitados.  E muitas vezes por seus familiares mesmo.  Justamente por aqueles que mais deveriam apóia-los, que  deveriam oferecer todo auxílio, ajudando-os a vencer na vida apesar da deficiência adquirida, seja ela auditiva, visual, mental, física.
Normalmente a falta de condições normais, poderá provocar bloqueios de personalidade, alguns chegam a se julgar inúteis para a Sociedade, principalmente quando as restrições e o desprezo começam em casa.  Se forem tratados como inferiores desde criança,  lhes será mais difícil superar os traumas.
O ponto mais importante, é sua aceitação. Apenas isso já é um grande passo. O fato de não serem considerados um estorvo por causa de sua deficiência, mas sentindo-se amados, não por causa, mas apesar da deficiência, já será de grande ajuda.  Não se trata de piedade, trata-se de amizade, carinho. O mesmo tratamento dispensado a todos. A mesma atenção. 
O que mais lhes dói, é sentir que são discriminados, e até menosprezados, simplesmente porque não estão no parâmetro de “pessoas normais”.  Talvez a pior de todas as deficiências seja de quem os trata assim, ou seja, a deficiência espiritual. Todas as outras tem solução.
Para os deficientes auditivos, já existe uma série enorme de recursos que lhes permitem “ouvir”  quase tudo.  E até melhor que muita gente.  E se entendem muito bem.  E ninguém reclama porque estão gritando...
Para os visuais, não só Braille deu um jeito, mas hoje até já conseguem escrever ao computador. 
Para os mentais, existem diversos tratamentos e muitas oportunidades que já conseguem coloca-los em um bom nível de vida. 
Existem deficientes físicos campeões de diversas modalidades esportivas. E são melhores atletas que muitos atletas não deficientes.  As Paraolimpiadas estão aí para prova-lo. 
Não podemos deixar de falar de um sem número de artistas plásticas que sequer conseguem usar as mãos, no entanto suprem essa dificuldade com sua vontade férrea, usando a boca, os pés para nos brindar com telas maravilhosas.
Agora os infelizes deficientes espirituais não tem jeito.  Não se consegue entender o que se passa na cabeça de pessoas capazes de discriminar um filho, um irmão, um amigo, um vizinho, apenas porque não é “normal”, segundo sua mesquinha concepção de vida.  Ponham a mão na consciência.  Sintam a injustiça que estão praticando. E vamos tratar de salvar suas almas, em seu próprio beneficio.

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados