PEQUENA LIÇÃO DE VIDA

 

Um grande problema que aflige muita gente, é ficar relembrando e remoendo erros cometidos, ou então ficar pensando em coisas ruins que aconteceram, ao invés de simplesmente olhar prá diante, e ver que ainda existe muita vida pela frente... muita coisa a ser feita ainda.

Nosso célebre escritor francês L'Inconnu, deixou uma mensagem muito interessante nesse sentido. Vejam só:

Expulse de seu espírito todas as lembranças tristes. Será que remoer os erros vai conseguir sarar o mal que já houve?

Não quero com isso dizer que se deve esquecer pura e simplesmente alguma besteira feita. Penso que não se deve, é ficar remoendo o erro, e lamentando o fato dele ter ocorrido. O que se deve fazer é analisar o erro cometido e procurar não repeti-lo mais.

Portanto, ao invés de lamentar a "mancada", vamos seguir em frente, e já sabendo que tal atitude não mais deve ser adotada.

Se pura e simplesmente o erro for esquecido, existe o perigo de ser repetido. Portanto, nem ficar lamentando o ocorrido, nem deixá-lo de lado. Aproveitar a oportunidade e corrigir posturas, atitudes.

Outro ponto a ser abordado, é aquele que diz respeito diretamente às coisas do coração.

Quando se perde um amor, a tendência é ficar na fossa, e com uma enorme dor de cotovelo, lamentando quem se foi.

Não se esqueçam de que quanto mais revolver em seu coração as tristezas do passado, mais vai sofrer, sem resultado nenhum.

Ao se perder um amor, ou uma amizade, sempre se deve ter em mente é que na verdade, esse amor, essa amizade nunca foi de fato real. Estava ali, mas não tinha consistência, pois um sentimento sólido não se desmancha ao primeiro contratempo. Ele resiste às intempéries, aguenta intrigas.

Quando não resiste, é porque não existia de verdade. Assim, é mesmo melhor que termine, e não deve ser lamentado. Não adianta ficar tentando descobrir os "porquês", mas sim, aceitar o que houve, e seguir em frente para não atrapalhar o curso natural das coisas.

Parece ser uma solução muito simplista, pois quando houve um passado, existem laços que não se rompem tão facilmente. Certo, não se pode simplesmente esquecer que se conheceu tal ou qual pessoa e ponto final. Contudo, não se pode lamentar o fato de ter perdido tal amor, tal amizade. Não adiantam lamentações, que muitas vezes atrapalham o futuro.

O que se deve fazer nesse caso, é dirigir a mente às recordações alegres, aos momentos felizes, aos fatos agradáveis do passado, ao invés de ficar lamentando a perda havida.

Nunca se perde um amor, uma amizade. O que ocorre é uma constatação de que na realidade tal sentimento nunca existiu, a não ser no pensamento, na idéia. Fosse algo efetivo, não terminaria assim... Com essa maneira de pensar, fica muito mais fácil superar o episódio.

Muitas vezes o término de um romance, de uma amizade, pode representar grande melhoria de vida, pois, ao constatar que se estava preso a um sentimento falso, pode-se partir para novos rumos e com muito sucesso.

Superando-se erros, abrem-se novos caminhos, surgem novas possibilidades e é preciso que se esteja preparado para tanto. Se estivermos de olhos fechados, lamentando as perdas ocorridas, não poderemos enxergar o caminho aberto.

Portanto, nosso amigo L'Inconnu está certo "será que remoer os erros vai sanar o mal que já houve?" Claro que não... o que já houve, aconteceu, e não pode ser simplesmente deletado. Então deve ser superado e, aproveitado para que não aconteça de novo e, depois de bem digerido, aí sim, deve ser esquecido.

Uma constatação certa: Ontem, foi ontem, já FOI... Hoje é importante, pois É hoje e o amanhã...Bem o amanhã SERÁ... e esse será depende de como vamos agir a partir de hoje...

 

Um casal vinha por uma estrada do interior, sem dizer uma palavra. Uma discussão anterior havia levado a uma briga, e nenhum dos dois queria dar o braço a torcer. Ao passarem por uma fazenda em que havia mulas e porcos, o marido perguntou, sarcástico: - Parentes seus? Sim, respondeu ela. Cunhados e sogra

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados