ERRARE HUMANUM EST

 

 

ERRARE HUMANUM EST

Marcial Salaverry

 

Essa é uma grande verdade, pois realmente é impossível alguém passar pela vida, sem jamais cometer algum erro, ainda que involuntários, todos somos passíveis de cometer certos atos que podem ser considerados errados, uma vez que, muitas vezes, ainda que inadvertidamente, magoamos alguém.  Quer seja por atos ou por palavras, e há que se levar em consideração que logicamente não podemos conhecer o íntimo de todas as pessoas que nos rodeiam, e assim, não podemos saber que determinadas atitudes, ou palavras, que para nós soam normalmente, poderiam ofender ou magoar alguém.  Como sair dessa?

Uma saída, acontece quando lembramos que nosso Amigão nos deu o dom da palavra e do pensamento, e nesse caso, o mais coerente e lógico, é que, ao nos sentirmos magoados, devemos, com alguma habilidade, chamar a atenção de quem nos magoou, para o que o mesmo não repita a mesma mancada, e com certeza, não devemos ir "com os pés no peito", já que não houve a intenção de magoar,  foi simplesmente uma "gaffe", e elas são perdoáveis.  Acho que ninguém pode dizer que nunca, jamais, em tempo algum, deu alguma mancada, cometeu algo semelhante.

Certamente,  é lógico de que, sabendo que tal atitude, poderá magoar alguém, a repetição TEM que ser evitada.  Existe a respeito, um célebre provérbio latino que diz: errare humanus est, e eu acrescento, repetirem errum, burrarum est.

Então, crianças, se alguém nos magoar, ou for inconveniente, o melhor é procurarmos esse alguém e ser franco.  Tal atitude é muito melhor do que um afastamento inexplicável.   Inexplicável, porque quem nos chateou, não está sabendo disso e, se não nos abrirmos, nunca ficará sabendo.

O diálogo é a melhor maneira de se acertar certas situações, e um pedido de desculpas, tanto deverá ser feito, como poderá ser aceito.

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados