CARÊNCIA DE AMOR

 

Falar de carência de amor... é algo meio ambíguo. Mas o principal amor, que nunca deve faltar, é o amor próprio. Devemos amar, em primeiro lugar, o Ser Supremo que nos deu vida, e que nos mantém vivos. Logo em seguida, devemos NOS amar e muito.

Quem não consegue amar-se, dificilmente terá condições de saber amar aos outros, por não saber o que é o Amor, na verdadeira acepção da palavra.

Amor é aquele sentimento que faz com que nossos desejos e atos se voltem visando propiciar o bem estar para a pessoa amada. É por isso que o amor próprio é tão necessário. Devemos querer sempre nosso bem estar.

Desenvolvendo-se essa capacidade, amando-se e zelando pelo bem estar, teremos condições de discernir melhor sobre como aproveitar nosso tempo, podendo amar a outrem.

Muitas pessoas se queixam de não ter sorte para o amor... nunca conseguem encontrar alguém a quem amar, ou que as ame.

Seria o caso de se perguntar se essas pessoas gostam-se o suficiente. Se procuram de maneira adequada conseguir e conquistar o amor de outras pessoas.

Realmente não é fácil encontrar-se o "par perfeito', principalmente se esse objetivo chega a ser procurado de maneira obsessiva, ou seja, é necessário que se dê oportunidade para que o amor se manifeste, pois nem sempre é à primeira vista que se encontra a famosa "outra metade". Torna-se necessária alguma convivência para que se descubra a famosa afinidade, que é o que forma as uniões duradouras.

Por vezes, é necessário dar-se tempo ao tempo... e muitas vezes a urgência com que se busca o amor... impede que ele se manifeste.

A falta de compreensão também atrapalha bastante. Temos que saber analisar nossas erros e defeitos, antes de procurar apenas ver o que a eventual parceria apresenta.

A propósito, nosso amigo Alphonse Vinet deixou-nos um pensamento interessante:"O Tempo não se compõe somente de horas nem de minutos, mas de amor e de vontade; temos pouco tempo quando temos pouco amor."

Daí se infere que, na verdade a falta de amor sempre provoca uma certa agonia na busca do amor, impedindo muitas vezes, que se consiga ver o que temos diante dos olhos.

Para conseguir enxergar melhor as coisas, é necessário exercitar-se o auto amor, pois conseguindo amar-se, tem-se mais facilidades em descobrir as reais qualidades, bem como os defeitos. Corrigindo estes, e aprimorando as qualidades, pode-se permitir um melhor julgamento alheio.

Principalmente, não se deve julgar precipitadamente qualidades ou defeitos. Nem se deve abrir depressa demais o coração, nem tampouco fechá-lo de vez.

Além do que, algo que é necessário ser dito... Quando se consegue desenvolver o amor próprio, chega-se à conclusão de que a procura do "parceiro ideal" não é tão urgente ou tão necessária assim.

A solidão pode ser uma excelente maneira de vida, desde que se saiba administrá-la, não fazendo dela uma fonte de tristeza, mas encarando-a como uma excelente maneira de se aproveitar a melhor companhia que temos, que é a nossa própria pessoa... desde que saibamos nos amar.

Encarando a vida sob esse prisma, talvez seja até mais fácil encontrar a companhia desejada... qualquer um gostará de conhecer melhor uma pessoa que se ama tanto...

Não poderá ser má companhia para ninguém... já que é tão boa para consigo mesmo.

 

Amor I
Sabe, querida, quando você fala me faz lembrar o mar...
Puxa, amor. Não sabia que te impressiono tanto.
Não é que me impressione. É que enjoa.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados