QUANDO PODEREMOS VIVER EM PAZ?

 

Paz... o que será que significa essa palavrinha tão pequeninha?
A Paz, na verdade, é o objetivo de todos (ou quase todos...)
E assim, fica sem resposta a pergunta que não quer calar:
QUANDO PODEREMOS VIVER EM PAZ?
Osculos e amplexos,
Marcial

QUANDO PODEREMOS VIVER EM PAZ?
Marcial Salaverry
 
Tentando responder a essa pergunta, podemos entender que a PAZ é o objetivo de todos neste mundo, e podemos acreditar mesmo que atualmente não existe uma pessoa no mundo que não esteja desejando obter esse artigo tão raro, chamado Paz, ou pelos menos que seja esse o desejo das maioria das pessoas de bom senso.

Acontece contudo que os métodos para consegui-la é que são diferentes, pois enquanto muitos acreditam que a Paz seja a vida sem violência, sem maiores ameaças do que uma epidemia de gripe, outros acreditam que ela somente será conseguida após a destruição do mundo.  Aí então, teremos aquela paz gostosa, eterna, pois não haverá mais ninguém para quebrá-la.

Simplesmente é uma questão de ponto de vista. Mas o objetivo é a PAZ.  Seja entre os vivos, seja entre os mortos, sempre será paz. E convenhamos, essa outra maneira de encará-la, talvez seja mesmo a melhor para consegui-la. Talvez, com a extinção da raça humana, a paz nunca mais seja ameaçada, eis que desde que o mundo é mundo, nunca se conseguiu viver pacificamente, o dito ser humano, nunca conseguiu ser humano o suficiente para saber como é bom viver em clima de paz e amor, sempre encontrando algum "motivo" para mais uma guerrinha...

Na verdade mais verdadeira, nunca houve um período de paz integral no mundo.  A História registra uma sequencia impressionante de guerras, guerrilhas, revoltas, revoluções, além de certas "manifestações", sempre mostrando a predisposição do bicho homem em buscar a auto destruição, e uma grande incompetência para conseguir, seja a destruição, seja a paz.

Em países onde não existe essa tendência de guerras ou revoluções, não se pode dizer que seja pelo fato de seu povo ser pacífico.  Talvez não se preocupem muito com isso, por uma questão de comodismo.  Convenhamos que dá muito trabalho organizar uma revolução, ou então planejar invadir um outro País, e assim, nesse caso, na falta de revoluções, reúnem-se alguns grupos apenas para promover desordens, agitações, modernamente chamadas de "manifestações", mas sempre soltando a belicosidade interior, aquela fera sedenta de sangue que habita o corpo de alguns que não conseguem viver sem violência.  Então, explode a violência urbana, através da ação de grupos, cujo único objetivo é quebrar o clima de ordem e paz que deveria imperar.  E falta força para as autoridades coibir tais ações.  E tem que faze-lo violentamente. E a cada ação mais forte, existe uma reação igual, e assim, a coisa continua se complicando.

Por paradoxal que possa parecer, em todas as partes do mundo organizaram-se passeatas pela Paz Mundial.  E quanta violência nessas "passeatas pacíficas", onde alguns manifestantes agrediam outras pessoas por não pensarem igual.  Ora, isso não pode ser uma manifestação pela Paz. Agredir por que? Apenas porque não pensa igual? Onde está o livre arbítrio?  O direito de eu manifestar minha opinião, termina ante o seu direito de manifestar a sua.  Poderemos eventualmente dialogar, um tentando convencer ao outro.  Nunca porém, usar da violência para isso... Que raio de Paz é essa que estou defendendo se tento impor minha opinião pela força? Enfim, parece que a violência faz parte da natureza humana.  Aliás, somos os únicos espécimes vivos que praticamos a violência gratuitamente, mesmo sem ameaça.  Apenas pelo prazer de impor nossa vontade, de mostrar nossa força, nosso poder, e para tanto, não hesitamos sequer em atacar quem não terá forças para reagir.  Aliás, essa história de “bater em bêbado” , é o ideal, pois mostramos nossa força sem maiores riscos. Eventualmente poderemos sofrer alguma surpresa, mas nem sempre.

Para complementar, vejam que pacificamente tentei mostrar que a Paz é a coisa mais utópica que existe.  Para consegui-la, primeiro teremos que vencer nossos “bichos interiores”, que nos incitam à violência, para depois tentar convencer a outros, que é muito gostoso ter e espalhar paz, amor, amizade, carinho. Podemos tentar começar, e pelo menos fazer nossa parte nesse sentido.

E existem tantas formas de violência que usamos e sofremos cotidianamente, que seria enfadonho enumera-las.  Numa auto análise todos saberão do que falo, portanto, podem acreditar que é muito difícil vencer essa briga interior.

Para uma tentativa de Paz, vamos nos imaginar formando um grande círculo em cujo centro estão frente a frente os personagens belicosos, que desejam guerra, e assim, vamos mantê-los lá dentro, nem que seja à força, até que eles decidam suas pendências particulares, sobre quem é mais feio...

E quando isso acontecer, poderemos quem sabe ter a oportunidade de viver UM LINDO DIA, pleno de LUZ, PAZ, AMIZADE, AMOR... Quem sabe, com a ajuda do Amigão isso ainda poderá acontecer... Afinal, por enquanto, sonhar ainda não paga imposto...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados