A ESPERA PELO AMOR

 


A ESPERA PELO AMOR
Marcial Salaverry
 
 
Ulisses e Penélope viviam em cidades distantes, mas se falavam pela Internet, e ele sempre dizia querer conhece-la, e prometia que um dia iria encontrá-la...
Ela esperava pacientemente, e para realmente sentir-se uma rediviva Penélope, só faltava estar tecendo a teia...
Nessa espera, socorria-se da imaginação, e se repetia sempre que o querer estar junto, pode trazer para perto, o que está distante, e nessa esperança,
conseguia sentir o seu Ulisses ao lado, e sentia-se ternamente acariciada por seu amado, e recostada em seu divã, languidamente sonhava...
Queria te-lo a seu lado, sabendo que estar longe de quem se ama, é do que mais o coração reclama...
Tinham um segredo combinado, e assim, somente a noite conseguiam se encontrar, usando a magia da imaginação e a força do pensamento,
conseguindo assim sentir-se bem juntinhos, mas depois ao despertar, desmanchava o que sua imaginação havia tecido, e a espera prosseguia...
E Penélope esperava, e esperava, mas não desistia, e nem se desesperava, pois apenas sabia que um dia ele estaria chegando, e poria fim à sua odisséia...
Mas como esse dia nunca chegava, ficaram anos com esse amor de imaginação, na esperança de que um dia...
Certamente, pelo amor, sempre vale a pena curtir espera, ainda que tecendo a teia da imaginação...

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados