AQUELA VOZ AMIGA

 



AQUELA VOZ AMIGA
Marcial Salaverry 
Nivalda era uma menina daquelas que todos podem considerar como uma pessoa feliz, pois sua família sempre conseguiu dispor de meios para lhe proporcionar uma vida boa.
Morava em bairro de classe média alta em uma das grandes cidades do interior de São Paulo, em ampla casa com piscina, frequentava boas escolas e sempre foi boa aluna. Sócia do clube mais importante da cidade, ainda na infância
conheceu Ronaldo, com que namorou, estava noiva, e de casamento marcado.
Porém a vida preparou-lhe uma surpresa. Em uma viagem de férias ao litoral, conheceu um rapaz que soube seduzi-la. Apaixonada, deixou-se levar pela emoção desse romance cheio de aventuras. Habilmente ele a fez experimentar um pozinho que a iria levar a um mundo novo.
De fato, ela entrou em um horrível mundo novo, deixando-se viciar pela cocaína, que sequer sabia o que era, pois nunca havia sido orientada nesse sentido.
Após faze-la tomar um pouco de bebida, foi fácil a iniciação ao vício. Culpa de seus pais que não a haviam preparado para esse lado feio da vida, acreditando que ela jamais tomaria contato com isso. Cheia de vergonha, fugiu de casa e foi para junto desse mau elemento.
Quando percebeu o que estava acontecendo, já havia descido alguns degraus.
Estava viciada, e havia sido iniciada na prostituição para poder adquirir a droga que já era necessária para seu organismo.
Desesperada com o ponto em que havia chegado, e acreditando que jamais se livraria desse vício, decidiu por fim à sua vida, que já considerava totalmente perdida. Com esse intento, preparou uma overdose de cocaína e estava pronta para injetar-se com aquela dose fatal, quando casualmente viu uma notícia no jornal sobre a ação do CVV (Centro de Valorização da Vida).
Enquanto criava coragem para a injeção definitiva, telefonou para o numero que estava no jornal.
Foi atendida por um voluntário, que se identificou como “Nivaldo”. Achou curiosa coincidência de nomes, e começou a falar com o rapaz, que habilmente a fez abrir seu coração.
Sabendo de sua decisão de acabar com a vida que mal iniciara, ele inicialmente procurou tranqüiliza-la, pois ela estava “precisando” da droga, e muito nervosa. Aos poucos, conseguiu controlar a situação.
Como que hipnotizada pela voz suave de Nivaldo, ela foi se acalmando. Ele então a orientou no sentido de procurar tratamento para livrar-se do vício.
Nivalda habituou-se a telefonar para lá todos os dias no mesmo horário, confessando-se “viciada” por sua voz.
Procurou sua família, que lhe deu o apoio necessário, e tratando-se adequadamente, conseguiu livrar-se do vício, e depois de algum tempo, ei-la definitivamente curada e de volta a sua vida familiar.
Como jamais conseguiu esquecer que sua vida havia sido salva por uma anônima “voz amiga”, procurou a CVV de sua cidade, inscrevendo-se como voluntária para, quem sabe, poder ajudar alguém que chegasse ao mesmo ponto de
desespero que ela havia chegado.
Esta é a historia de “Nivalda” que conseguiu voltar do outro lado, porque encontrou uma “Voz Amiga”, que soube escuta-la e orienta-la.
E como certas “vozes” são necessárias em nossa vida... E como a CVV ajuda a salvar vidas.

Esta historia é real, apenas os nomes das personagens estão trocados.

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados