COMO SUPERAR A INSATISFAÇÃO

 

Dificilmente conseguimos encontrar satisfação
total em nossa vida... Sempre existirá uma peninha
para atrapalhar... Ou uma ave inteira...
Osculos e amplexos,
Marcial

COMO SUPERAR A INSATISFAÇÃO
Marcial Salaverry
 
Com certeza é algo que chama a atenção, e pode ser considerada uma coisa muito interessante a ser analisada, é a eterna insatisfação do ser humano, que nunca está satisfeito com aquilo que tem, particularmente quando se refere ao quesito AMOR, que realmente, apresenta facetas curiosas.
Existem mulheres que reclamam de seus parceiros porque são muito românticos, e, segundo elas, vivem no mundo da lua. O que querem é alguém de pulso firme a seu lado, que as conduza, e que possa suprir todas suas necessidades materiais, relegando o romance, o namoro conjugal a plano secundário.
Contudo, outras reclamam porque seus maridos apenas pensam em trabalho, reuniões, esquecendo-se de dar aquele “toque romântico” ao seu casamento.
E a recíproca é verdadeira. As reclamações são de ambos os lados. Vá se entender a incoerência do ser humano, que sempre acha que "a galinha do vizinho põe ovos melhores..."

A grande verdade é que algo precisa ser feito para quebrar uma rotina, quando ela começa a ficar perigosa.
Podemos acreditar que o ditado que diz que os opostos se atraem, é bem verdadeiro, pois homens românticos gostam de mulheres práticas, e vice-versa. Será que é por isso que existem tantas aventuras extraconjugais? Será a eterna busca do que não temos a nosso lado?

Na realidade, o que falta de fato, e que deixa as pessoas tão insatisfeitas com tudo, é a ação que todo sentimento de amor deveria provocar. Todos querem ser amados como no primeiro momento, mas sempre  esquecemos como é que devemos agir quando amamos, pois a rotina da vida vai roubando inconscientemente essas ações. E sobram apenas as obrigações, que se fossem realmente excitantes, não se chamariam obrigações.
Coisa como lavar uma louça... Ninguém ama fazer isso, fazemos, por obrigação, assim como lavar e passar a roupa, limpar a casa, fazer comida, trabalhar. Claro que ninguém, faz por prazer, mas se sente na obrigação de faze-lo. Alguns, fazem para satisfazer um dos piores vícios do ser humano, que é comer.  E isso atrapalha o clima romântico, claro.

Para quebrar a rotina, precisamos usar da imaginação. Criar com nossa parceria aquilo com que sonhamos. E isso só se resolve com um bom diálogo, sem acusações sobre quem é o culpado pelo clima de insatisfação. Cada qual tem sua parcela de culpa.

Então, se a fantasia é viver um Grande Amor, vamos investir em ações do amor, imaginando como seria esse sonho, passando a colocar tudo em prática. Havendo um entendimento, a brincadeirinha funciona. Por exemplo, marcar um encontro em local afastado de casa, e agir como se não se conhecessem, iniciando uma paquera, que fatalmente terminará num quarto de motel. É uma quebra de rotina, e fazemos uma aventura nova e excitante com a parceria de sempre, de quem realmente gostamos, mas estávamos deixando a rotina quebrar o clima.
Depois, a volta para casa, separados, e ao se verem, não tocar no assunto, mantendo o clima de ter vivido uma excitante  aventura extraconjugal.
Dessa maneira, quebra-se a rotina, amenizando famosa insatisfação com a vida conjugal, que vinha trazendo problemas enormes para o relacionamento.  A rotina imutável e imexível sempre traz enormes desgastes para o relacionamento familiar, pois quando se deixa criar uma rotina massacrante, a coisa se complica.
Essa idéia, de “fantasiar” um romance, transformando os parceiros de sempre em ardentes amantes, quebra a rotina conjugal, e levando a vida de uma maneira diferente, pode modificar uma situação que vinha se tornando frustrante.
Muitas vezes, embora ainda exista amor entre os parceiros, a mesmice da vida pode levar a situações limite. E então, vem aquela vontade de viver alguma aventura, para sentir mais emoção na vida.  E porque não fazê-lo com o próprio conjugue?  Se ainda existe amor, é fácil reavivá-lo, com alguma criatividade,  usando a imaginação,  bolando situações que sugiram uma aventura... E por que não?

Sente-se assim a emoção de algo novo e jamais feito antes, sem o perigo que as aventuras extraconjugais sempre trazem, acabando assim com a insatisfação existente...
Temos que saber viver a vida... Usar o que for preciso para sentir sempre a alegria de viver.  Temos que saber aproveitar essa coisa maravilhosa que é a vida, e que não é só a
preocupação com o vil metal (nem tão vil assim...mas não pode ser priorizado totalmente).

E como a vida depende de nós, tenhamos UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados