O AMOR NUMA SERENATA

 

O AMOR NUMA SERENATA
Marcial Salaverry
 
Quando passei pela primeira vez por tua janela, encantei-me com teu sorriso angelical, e fiz daquela rua meu caminho diário, sempre à mesma hora, contando sempre com tua presença. Até que me veio a ideia de oferecer-lhe uma serenata, e assim declarei meu amor incondicional, e agora, relembro o primeiro beijo que trocamos, quando disse o quanto te amava, e o quanto desejava contigo viver uma linda história de amor, após romanticas melodias entoadas sob sua janela.
E agora, para aquele momento reviver, quero olhar nos teus olhos, para então sentir totalmente a doçura desse instante que marcou nossas almas, e apesar dos muitos anos vividos, quero oferecer-te outra serenata, e assim reviver a emoção que naquele momento me encantou o coração, e que deixou uma perene marca em meus lábios.
Depois, desejo fechar os olhos, para bem
recordar a lembrança daquele momento mágico, a lembrança que ficou guardada para todo o sempre no mais recôndito de minha alma.
Com a alma plena de emoção, revivo os momentos vividos naquela primeira serenata que selou nosso amor, e fechando os olhos, revivo sua imagem com vi naquela tarde com a janela fazendo a moldura do mais belo rosto que já havia visto, e o brilho do seu olhar ao cruzar com o meu, como que dizendo que meu sentir tinha total retribuição...
 

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados