SENTINDO A PRESENÇA AMADA

 


SENTINDO A PRESENÇA AMADA
Conto de Marcial Salaverry
 
Anton e Ludmila, viviam um amor proibido, pois ambos eram casados, e o amor surgiu através de encontros fortuitos, de uma maneira repentina, sem que nenhum deles estivesse em busca de aventuras.
Uma troca de olhares, um roçar de mãos, uma valsa bailada em sonhadores rodopios.
Viveram intensamente esse romance que, por ser proibido, fatalmente teria um fim brusco.
Anton fora chamado pela familia para assumir elevado cargo em um País distante, e teriam de se separar.
E passaram uma uma última noite amando-se como só aqueles que se amam de verdade sabem amar.
Ludmila não viu quando Anton a deixou no leito de amor, e, ao despertar, ainda sentindo a presença de seu amor ausente, a amante chora a ausencia do amante amado, com as lágrimas correndo mansamente por seu belo rosto.
Quando foi beijar o travesseiro que ainda tinha o cheiro de seu amor, viu o bilhete que ele lhe deixara, e chorou de saudade na emoção de ler o que ele deixara escrito. 


"Estou aqui neste mundo, apenas para te amar, e meu desejo seria para sempre ficar em teus braços, e jamais te esquecerei.
Estarei sempre sentindo tua presença amada, pensando no prazer que me enlouquece, neste amor ao qual me entreguei sem reservas e nem rodeios, e sempre nos amamos em meio a carinhos cálidos, que nos trouxeram  toda felicidade do mundo...
Entregamo-nos a este amor sem pejo, sempre satisfazendo nosso desejo, obedecendo ao que comandava nossas almas.
Perdemo-nos em meio a sonhos delirantes, buscando a felicidade em todos os instantes...
Sabemo-nos completamente apaixonados, e nos entregamos à volúpia deste amor, com paixão e com todo ardor...
Com certeza, este amor que nos mostrou  lugares inexplorados, levando-nos a limites nunca antes alcançados, jamais poderá ter um bom fim, eis que vamos continuar vivendo e nos sentindo juntos ainda que distantes.
Vivendo esse intenso amor, esquecemos o que se passa no mundo exterior, apenas entregando-nos a esse doce calor...
Concentro meus pensamentos somente em ti, sentindo um prazer que igual jamais senti...
Amando-nos, sussurramos palavras doces, quentes, sinceras, enamoradas, excitando-nos com carícias apaixonadas...
Amamo-nos, e sempre buscamos novas energias, querendo repetir as carícias todos os dias, e mesmo afastrados vamos usar a força de nossas almas para continuarmos a viver nosso amor, ainda que um oceano nos separe.
Queremos ver sempre repetidos todos os doces momentos de carinhos jamais sentidos...
Apenas queremos viver o amor que sentimos, entregando-nos um ao outro de maneira total, deixando a paixão conduzir nosso caminho, perdendo-nos em nosso total carinho, e assim, aceitando o ávido prazer que nos domina, vamos seguir vivendo para  esta paixão que nos alucina. Neste ou em outro plano. Um dia vamos nos reencontrar. E então, viveremos nosso amor em PAZ, sem quaisquer sustos mais."

Ludmila perguntou-se porque ele teria deixado essa carta com as lágrimas correndo pelo seu rosto, pois Anton lhe havia dito que seria uma viagem que levaria algum tempo, sem dizer que seria uma separação definitiva.
As lembranças do dia em que ele havia declarado o amor total, vieram céleres. Estavam se banhando na cachoeira, e Anton havia coberto seu corpo de flores. Fizera uma coroa com as orquídeas e a colocara em sua cabeça, e deslizando com suavidade  as mãos pelo seu corpo, declarara todo seu amor. Havia sido o primeiro ato de  amor físico. A primeira declaração demonstrando o amor total e irrestrito que sentia. Anton era um tipo especial, já que declarava seu amor de uma maneira diferente, não o fazia de forma corriqueira.
E agora, anos depois, perdida em seus pensamentos, Ludy, como ele carinhosamente a chamava, estava sentada no terraço de sua casa, e sem atinar o porque, pegou aquela carta e começou a rele-la pela enésima vez. Sentiu um arrepio percorrendo seu corpo, e lembrou-se do dia de sua partida. Estava com uma grave doença, e sabia não ter muito tempo de vida.
De repente, sentiu sua presença a seu lado, e viu Adolfo um grande amigo se aproximando.
Intuiu que algo havia acontecido.
Adolfo chegou, e simplesmente lhe disse:
Ludy, Anton partiu e te espera...

Veja duas estrelas que tem um brilho especial no céu...
Devem ser Anton e Ludmila, que agora finalmente se reencontraram e estão vivendo seu grande amor
num plano superior.

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados