CONCEITO DE BELEZA ( II - A MISSÃO )

 

Complementando sobre Conceitos de Beleza, pois recebi de uma de nossas amigas, Anna Amélia, conceituada artista plástica mineira, além de poeta com trabalhos já publicados no prosaepoesia, e-mail indagando sobre o porque de certas obras (citou quadros), tecnicamente perfeitos e que, apesar dessa perfeição, pareciam não ter beleza.
Eis o teor de seu bem colocado e-mail:
"Pense comigo, ter qualidade, deveria supor ser belo, no entanto, muitas vezes, analisando um quadro, percebo nele qualidade, e não percebo beleza.....A técnica é boa, tem qualidade de composição, ritmo, e no entanto não é belo...me explica..."
Respondendo para nossa amiga, aproveito para colocar meu ponto de vista
em aberto.
Penso
que o que falta é a "alma" do artista nessas obras tecnicamente perfeitas. O artista conseguiu desenvolver uma técnica apurada, mas falta-lhe o sentimento.
Tanto o pintor, como o escultor, que trabalham com a matéria prima natural, precisam conhecer muito bem a parte técnica, mas se não conseguirem desenvolver seu sentimento, não conseguirão "marcar época". Serão bons artistas, simplesmente.
Pode-se perguntar o que é pintar ou esculpir com sentimento, com alma. Significa colocar sua emoção naquilo que está fazendo; e só se coloca emoção, quando realmente gosta-se do que faz. O pintor ou o escultor, tem que se apaixonar pela sua obra. Tem que olhar para o que está fazendo, e sentir o mesmo amor que pela pessoa amada.
Assim, e só assim, conseguirá transformar sua obra tecnicamente perfeita, numa real obra de arte, porque todos os que a virem, conseguirão sentir a beleza existente nela.
Como exemplo, posso citar os "Artistas congoleses". Sem técnica nenhuma, mas produziram lindas obras de arte. E por quê? Porque trabalhavam com alma... gostavam do que faziam, e realmente tinham talento. Era técnica zero, mas notava-se pelas linhas agressivas, e contornos suaves, que havia muito do interior deles em cada um daqueles quadros, em cada trabalho que faziam .
E não é somente com pintores que isso ocorre, pois escritores, poetas, músicos, enfim, todo aquele que resolve abraçar uma carreira artística, tem que fazê-lo com amor, tem que abraçar a carreira, como abraça a pessoa amada.
Vejam quantos poetas, que produzem obras perfeitas, em sua métrica, em sua rima, não conseguem transmitir emoção para quem lê.
Vejam uma poesia de amor, por exemplo, quando é feita com real paixão pelo escritor, faz com que quem lê, sinta-se envolvido. Por vezes, julga ser o destinatário da poesia...parece que dedicada a quem está lendo.
E o que provoca essa sensação intimista é simplesmente o fato de ter sido escrita com amor, com sentimento, e não apenas com a técnica perfeita.
Esse fato se verifica em todos os campos da arte. A grande diferença entre o artista e o Artista é exatamente essa... o artista aprendeu a dominar a técnica de sua arte, mas não consegue colocar sua alma nela. Não sabe buscar a emoção de seu interior e transportá-la para o que está fazendo, ao passo que o Artista, pode não ter o perfeito domínio da técnica de sua arte, mas supre essa deficiência com o melhor de seu talento, que é o seu sentimento. Sentindo o calor interior, e colocando naquilo que faz... está o verdadeiro Artista.

 

Na aula de geografia, a professora pergunta - Joãozinho, me dê três provas de que a Terra é redonda. Depois de pensar um pouco, ele responde - Bem, o livro diz que é, meu pai diz que é, e a senhora também diz que é, então...

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados