UM ENCONTRO ELEFANTÁSTICO

 

UM ENCONTRO ELEFANTÁSTICO

Marcial Salaverry

 

No caminho entre MasiManimba e Bulungu, após percorrermos alguns km., percebermos uma enorme massa cinzenta à nossa frente.  Alexander freou o carro, arregalou os olhos, balbuciando algo incompreensível.   Em meio à neblina matinal, pude perceber o que era a massa cinzenta, simplesmente um elefante.  Lembrei-me de nosso poeta: “No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho”.  Só que era algo um pouco maior que uma pedra... Era um ELEFANTE, um enorme elefante.  Diferentes dos dóceis elefantes indianos que existem em nossos circos, os elefantes africanos são incrivelmente mal humorados e violentos.

Para sorte nossa, esse nosso amigo estava descansando, e, para não irritá-lo, ficamos quietinhos, aguardando que ele resolvesse desimpedir o caminho. As horas passavam, a fome aumentava, e a "criança", deitada eternamente em berço esplendido, não se mexia. Havia outras coisas que precisávamos fazer, que teriam que ser feitas fora do jipe, mas quem se atrevia a descer?  Finalmente nosso querido amigo resolveu mexer seu corpanzil e, rebolando sensualmente  entrou na mata... Ufa!!!

Devido a esse “pequeno” incidente, chegamos à noitinha em Bulungu.  Os comerciantes que já haviam sido avisados de nossa chegada, estavam preocupados com a demora.   Contando o probleminha, demos muitas risadas, analisando o que poderia ter ocorrido se o elefante tivesse resolvido caminhar na direção do jipe... Teria sido uma catástrofe, sem dúvida, pois não teria difícil para o “inocente animalzinho” tirar o jipe do caminho, jogando-o à distancia...

"Pequenos" incidentes de viajar pela selva africana...

 

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados