ENCONTRO AMISTOSO ENTRE DUAS CONGOLESAS

 

UM ENCONTRO AMIGÁVEL ENTRE DUAS CONGOLESAS

Marcial Salaverry

 

Uma das coisas que mais chamavam a atenção é para o sentido de higiene.  Por exemplo, as congolesas sempre se vestiam, usando aqueles típicos  tecidos multi-coloridos,  chegando até os pés.  Não tinham o hábito de usar peças íntimas.  Então, por exemplo, se estavam andando pela rua, e sentiam vontade de urinar, simplesmente paravam, abriam um pouco as pernas, satisfaziam-se, e prosseguiam caminhando com a maior naturalidade, deixando para trás aquela indefectível poça no chão. Muito curioso, pelo menos é o que achavam as crianças, que,  sempre que reparavam que alguma congolesa parava no meio da rua, queriam parar também, só para ver o efeito daquele pipitstop...

As congolesas sempre foram muito briguentas.  Não precisavam de muitos motivos para chegar às vias de fato.  A peculiaridade interessante que havia nessas brigas entre duas mulheres, é que ninguém se atrevia a interferir, por dois motivos básicos e principais.

Primeiro, é que se elas estavam brigando, tinham lá seus motivos, então que os resolvessem. Segundo, é que se alguém se atrevesse a interferir, certamente levaria a pior, pois elas eram realmente ferozes em seus “acertos de contas”.

Além desses, havia um outro, que era o maior ponto de diversão, principalmente para os homens.  Ocorre que a principal preocupação das litigantes, era procurar desnudar a adversária.  Uma vez conseguido isso, o objetivo era enfiar os dedos nas partes íntimas da rival, e assim, “rasgá-la”.  Aliás, o que mais se escutava eram os gritos de : vou te rasgar... vou te destruir... nunca você vai poder .... E por aí afora.  Convenhamos que para os olhos ocidentais, isso era um “prato cheio”.

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados