FRENESI DE PAIXÕES

 

 
FRENESI DE PAIXÕES
Marcial Salaverry
 
Num encontro casual Gu e Tati sentiram-se irremediavelmente atraidos, e com uma troca de olhares quentes, sentiram o comichão da paixão fazendo os corpos formigarem.
Com seu olhar masculino forte, decidido, estava Gu mostrando o desejo do macho insatisfeito, e Tati, deu uma ligeira piscadela, denotando a aceitação do convite implícito.

Convite feito, convite aceito, quando a paixão é acesa, palavras nem sempre são necessárias, pois apenas os olhares já expressaram tudo, uma vez que o desejo é inteiramente reciproco.

Já sobre o leito que recebeu o ardente casal, entregue ao frenesi daquele amor, os corpos nus se abraçam ansiosos, com carícias são mais e mais ousadas.

Suas bocas frementes procuram os mais excitantes locais onde beijar, e encontram lugares inimagináveis, só usados por amantes completos, até que seus corpos, por demais enlouquecidos pela paixão ardente, fundem-se, no momento mágico do amor, e com movimentos frenéticos, atingem o auge da paixão,chegando a um prazer jamais sentido.

Depois, exaustos ainda permanecem abraçados, pois seus corpos colados, não querem mais se separar.

Enfim, após o sexo satisfeito, as carícias, os beijos, tornam-se mais tranquilos, são aqueles beijos que parecem dizer: amei nossos momentos, foi muito bom, e quero repetir.

Já vestidos, mais um último beijo, e a promessa implícita de novo encontro.

 

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados