RECOMENDAÇÕES SOBRE O USO DA PALAVRA

 

Uma vez que temos o dom da palavra, é interessante
aprendermos a bem usá-la, evitando certas
situações constrangedoras...
Osculos e amplexos,
Marcial

RECOMENDAÇÕES SOBRE O USO DA PALAVRA
Marcial Salaverry 
                  
Considerando que o ser humano é o único ser vivente que tem o dom da palavra, pelo menos é o que nós pensamos, pois certamente, da mesma maneira que nos comunicamos, todos os animais se comunicam entre si, e possivelmente também acreditam que apenas eles é que conseguem se comunicar.  Questão de ponto de vista.

Voltando ao que é público e notório, ou seja que nós, humanos, temos o poder de nos comunicar pela palavra, falada, escrita ou teclada, é fácil chegar à conclusão de que muita gente deveria abdicar desse direito, ficando quietinha em seu canto, pois esmeram-se em falar bobagens (muitos podem achar  que estou nesse meio, o que é uma mera questão de ponto de vista.
L'Inconnu mandou-me uma linda frase sobre o assunto...
"Se a sua mente não é aberta, feche a boca também"."
 
Sem dúvida, é uma excelente idéia, tantas são as bobagens que lemos ou escutamos todos os dias.  A fraseologia popular está repleta de frases históricas, autênticos atentados aos nossos olhos e ouvidos. Podemos citar como exemplo certas frases ditas por determinados dirigentes esportivos, por políticos e, pior ainda, as “pérolas” colhidas todos os anos nas provas vestibulares (não seriam vestiburrares?).  Para chegar a um vestibular, claro é que esses “iluminados” curtiram muitos anos de bancos escolares, mas com proveito zero, pois o nível grotesco dos erros praticados mostra claramente que esses infelizes não aproveitaram absolutamente nada do que deveriam ter aprendido, portanto, são pessoas que, caladas, mostrariam maior sabedoria.

Além desses exemplos típicos, há que se citar ainda muita gente que não sabe o que diz, e só abre a boca para falar besteiras.   O que se pode dizer de certas  perguntas feitas por nossos repórteres volantes, em suas entrevistas, seja no rádio ou na televisão. Por exemplo, alguma personalidade acabe de desembarcar, chegando da Bósnia-Herzegovina, e lá vem o iluminado perguntando: O que o senhor acha do Brasil ? Ora, a pessoa acabou de chegar e, se não for uma pessoa educada, só pode responder: Não sei... acabei de chegar.
 
Outro exemplo clássico, são as declarações de políticos, ou  de dirigentes esportivos, que falam muito tempo, e não dizem nada de útil, e isso acontece, porque se metem a falar sobre aquilo que não conhecem.  Claro  que só pode sair sandices. Então, vale a lição de nosso autor anônimo.  Antes de falar (ou escrever) sobre alguma coisa, procure ao menos saber sobre o que vai falar, para não fazer bobagem. Evita muitos micos.

Por vezes escuto pessoas sendo entrevistadas no rádio ou televisão que, só por estar "no ar", tentam mostrar uma cultura que na realidade não tem, então empolam o peito e desandam a soltar "palavras difíceis", cujo significado ignoram, mas que acham "palavras bonitas".  E sai cada besteira...  Isso geralmente ocorre com políticos e certas autoridades.  Penso que todos já fomos testemunhas de fatos como esse.

Deveriam limitar-se a falar daquilo que sabem, e da maneira que sabem, evitando cair em situações constrangedoras...

Isso poderia ser evitado se todos procurassem seguir o sábio conselho de nosso querido L'Inconnu.

Bem, apenas para terminar, vou falar de algo que realmente conheço, e sei que estou certo ao  dizer: TENHAM UM LINDO DIA.

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados