DISAFIO DI AMÔ

 

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

Bão pessoar... Um tar de Cacá,
num tá dando as tenção divida prá muié deli, i ela é lindimaiz da conta, i fica zoiando preu...
Vamvê cumékivai ficá...

DISAFIO DAMÔ
Marcial Salaverry

Cumpadi Cacá,
Dessijeito, cê vai si acabá...
Si ocê só ficá isperando ela si arresorvê... cê vai dançá...
A cabôca tá doidind'amô... só ocê num sab'inxergá...
Ma... s'ocê drumi nu ponto... cabôco mais isperto vai si arranchá...
Vai si achegá cum mais ispreteza, e sua cabôca vaisi mandá...
Siachegue, homi... sinão vôieu mi achegá...
E tua cabôca vô ti robá...
Adispois tu só vai pescá, meu xará...
Ma c'a cabôca, so ieu qui vô ficá...
Inda vô qu'ela du ladu, procê umas traira pra nois fritá...
Qui nói vai si regalá...
Drome... qu'ocê vai dançá...
Adiscurpi Cacá...
maela é linda pa daná...
I nessi baile do tar di Reveião,
nois vai si reveiá...

 

 

Marcial Salaverry


[Voltar]

© Copyright Prosa & Poesia - Direitos Autorais Reservados